Bebê Rena: História Verdadeira – O Verdadeiro Perseguidor e o Abuso por Trás da Série da Netflix
O perseguidor de Richard Gadd enviou-lhe um total de 41.071 e-mails, 350 horas de correio de voz, 744 tweets e 106 páginas de cartas ao longo de quatro anos e meio.

O programa da Netflix, Bebê Rena, é baseado em uma história real de um perseguidor e abuso real e assustador. O elenco de Bebê Rena inclui Richard Gadd,

Jessica Gunning, Nava Mau e Tom Goodman-Hill nos papéis principais. É uma adaptação de uma produção solo de mesmo nome de Gadd, que se baseia em

seu próprio encontro angustiante com um perseguidor da vida real. A série tem uma aura cativante semelhante aos populares documentários sobre crimes reais da

Netflix, embora com camadas adicionais de ficcionalização.

Escrito por Gadd e dirigido por Weronika Tofilska e Josephine Bornebusch, Bebê Rena é uma visualização muito perturbadora e desconcertante. A série

segue Donny Dunn, um aspirante a comediante e escritor escocês, que luta para ter sucesso. Um dia fatídico, Martha entra no pub de Donny aos prantos,

levando-o a fazer um gesto reconfortante, oferecendo-lhe uma xícara de chá. Este ato aparentemente inócuo marca o início de uma série de decisões desastrosas à

medida que Martha se apaixona cada vez mais por ele. Bebê Rena tem uma sensação assustadora e misteriosa, o que faz sentido, dado o quão angustiante é a

verdadeira história por trás disso.

|   RELACIONADO:

 

Como “Martha” perseguiu Richard Gadd na vida real

Ela enviou a ele 41.071 e-mails em três anos.

Jessica Gunning como Martha em Bebê Rena

Quando Gadd conheceu Martha (um pseudônimo) da vida real, ele estava passando por um momento difícil, até porque sua carreira estava indo horrivelmente e

ninguém ria de suas piadas. Martha, porém, achou-o hilário, o que lhe deu imensa validação. Gadd também sentia falta de pertencimento ao bar em que

trabalhava e se sentia desconectado das pessoas. Nesse contexto, a atração instantânea de Martha por ele fez com que ele se sentisse extremamente visto e

afirmado. Sua afeição completa e descarada por ele era inicialmente exatamente o que ele precisava, e ele passou a se entregar e a buscar conforto nela.

Para Gadd, a história é moralmente ambígua sobre dois indivíduos problemáticos presos um no outro, incapazes de se libertar. “Seria injusto dizer que ela era uma

pessoa horrível e eu uma vítima”, disse ele ao The Guardian, refletindo uma dinâmica mais complexa entre Martha e ele. Um elemento complicador, claro, foi o

gênero: a narrativa de Gadd inverte os papéis típicos vistos nas histórias de assédio, com o homem como agressor e a mulher como vítima. Embora houvesse casos

em que ele temia pela sua segurança, ele permaneceu fisicamente mais forte do que o seu assediador.

“A sensação que você mais tem quando é assediado é o tédio e a frustração implacáveis”, disse Gadd.

 

Além disso, Gadd confessa que ele também cometeu muitos erros durante o processo e estava longe de ser uma pessoa perfeita. No entanto, ele foi sem dúvida

vítima de perseguição. Gadd logo percebeu a natureza obsessiva de Martha e tentou escapar, mas não conseguiu. Martha o perseguiu por quatro anos e meio,

invadindo completamente sua vida, seguindo-o por toda parte, aparecendo em suas apresentações e esperando do lado de fora de sua casa. Ela enviou a ele um total

de 41.071 e-mails, 350 horas de correio de voz, 744 tweets, 46 mensagens no Facebook e 106 páginas de cartas. Foi implacável. “A sensação que você mais tem

quando é assediado é de tédio e frustração implacáveis”, disse Gadd.

Por que a polícia demorou tanto para agir contra Donny / Richard sendo perseguido

Eles não conseguiam entender como um homem jovem e em boa forma poderia ser ameaçado por uma mulher

A polícia demorou muito para agir e ajudar Gadd enquanto ele estava sendo perseguido. Quando Gadd os procurou pela primeira vez em busca de ajuda, eles não

conseguiam compreender que ele, um homem jovem e em boa forma, pudesse ser ameaçado por uma mulher. Para Gadd, isso é o resultado da mídia retratar a

perseguição sob uma luz glamorosa, especialmente quando uma mulher persegue um homem. É percebido como menos ameaçador fisicamente, menos comum e é

banalizado. Gadd não apenas se esforçou para explicar o problema à polícia, mas eles também não tinham o poder de tomar qualquer ação, a menos que Martha o

atacasse fisicamente.

Gadd teve que registrar e examinar meticulosamente todas as mensagens de Martha para identificar casos de ameaças diretas. Este empreendimento o consumiu.

A história de Gadd reflete uma questão maior: o número de crimes de perseguição registrados mais do que triplicou desde 2014, enquanto as taxas de acusação

caíram vertiginosamente. Apenas 6,6% dos perseguidores denunciados enfrentam acusações e apenas 1,4% são condenados. Entre 2015 e 2023, mais de 80 por

cento dos casos de perseguição em Londres foram categorizados de forma imprecisa, muitas vezes resultando no despedimento das vítimas e na sensação de que se

preocupavam desnecessariamente com sua segurança. “Fui repreendido por assediar a polícia por estar sendo assediado”, disse Gadd.

 

“Apenas 6,6% dos perseguidores denunciados enfrentam acusações e apenas 1,4% são condenados. Entre 2015 e 2023, mais de 80% dos casos de perseguição em Londres foram categorizados de forma imprecisa, muitas vezes resultando na negligência das vítimas e na sensação de que estavam preocupadas desnecessariamente com sua segurança.”

 

No entanto, Gadd não antagoniza a polícia nem a culpa por suas dificuldades duradouras. Para ele, os problemas com a polícia refletem a maior escassez de

financiamento, a formação inadequada e a compreensão distorcida do assédio. A atenção de Gadd às questões sistêmicas mais amplas, em vez de culpar as pessoas

individualmente, torna a série Bebê Rena extremamente matizada e madura. Sua atitude empática também se estende à própria Martha.

 

Por que Richard Gadd vê Martha como uma vítima, não como uma vilã

Ele vê a perseguição como uma doença mental

Richard Gadd como Donny e Jessica Gunning como Martha em Baby Reindeer

A experiência de perseguição e assédio de Gadd é absolutamente horrível, até debilitante. No entanto, ele insiste que Martha também não deve ser culpada por isso

e que ela é uma vítima, não uma vilã. “Não consigo enfatizar o suficiente o quanto ela é uma vítima em tudo isso”, disse Gadd ao The Independent. Ele critica a

representação midiática de perseguição e perseguidores, que criou imagens infundadas na mente das pessoas com base em filmes como Misery e Atração Fatal.

Para ele, um perseguidor não é uma entidade sinistra escondida na escuridão, mas na maioria das vezes é um relacionamento passado, conhecido ou colega de

trabalho. A intimidade e a familiaridade só tornam a navegação mais difícil.

Mais importante ainda, Gadd vê a perseguição e o assédio como manifestações de doença mental. Retratá-la como uma vilã teria parecido injusto para ele, já que

Martha não está bem e o sistema falhou com ela. Nesse sentido, ele lamenta que Martha nunca tenha recebido as intervenções de saúde mental de que tanto

precisava e, em vez disso, acabou projetando nele seu trauma e dor por mais de quatro anos.

O que aconteceu com o perseguidor de Donny / Richard na vida real

A Martha da vida real ainda está foragido

Jessica Gunning parece triste como Martha em Baby Reindeer da Netflix.

Em Bebê Rena, Martha é condenada a nove meses de prisão e recebe uma ordem de restrição de cinco anos. Na realidade, por outro lado, Gadd não queria prender

alguém que estivesse tão doente mentalmente. Ele não tem liberdade para divulgar muitas informações, mas confirmou que a situação está em grande parte

resolvida. Após dois anos e meio de perseguição, Gadd conseguiu garantir uma ordem de restrição contra ela. No entanto, Martha ainda anda livremente pelas ruas

e, até recentemente, continuou a assediar a sua família e amigos.

Felizmente, a divulgação da história por meio de seu programa e da série Netflix não levou a uma escalada nas ações de Martha. Gadd especula que a exposição na

mídia a fez hesitar, fazendo-a reconsiderar seu comportamento. Para ele, a conclusão mais importante deveria ser que os assediadores necessitam de apoio e não

apenas de punição.

Explicação da agressão sexual e programa anterior de Richard

Seu show stand-up anterior foi intitulado Monkey See Monkey Do

No quarto episódio de Bebê Rena, Gadd mergulha em outro capítulo doloroso de sua vida anterior à perseguição: sua experiência de agressão sexual, que ele já

havia transformado na produção teatral Monkey See Monkey Do, um show multimídia solo que ele apresentou no Banshee Labirinto, Edimburgo. Nele, Gadd

andava incansavelmente em uma esteira para fugir de sua ansiedade e trauma, enquanto gradualmente recontava esses eventos dolorosos e o preço que eles

cobraram dele. Semelhante a Nanette de Hannah Gadsby, o show de Gadd foi criticado por não ser consistentemente engraçado o suficiente e por ser mais teatro

do que comédia.

Mesmo assim, Monkey See Monkey Do foi um tremendo sucesso e recebeu uma recepção extremamente positiva. O Guardian chamou-o de “implacavelmente

explícito” e “inegavelmente convincente”, um “retrato sinistro e implacável de uma consciência em colapso, enquanto o relógio avança sobre o segredo mais bem

guardado de sua vida”. Gadd também ganhou o prêmio de Comédia de Edimburgo por a apresentação. Para ele, mais importante ainda, foi terapêutico escrever e

apresentar este espetáculo, pois o ajudou a processar e dar sentido às suas experiências traumáticas. Bebê Rena também começou como um espetáculo de teatro

solo, apresentando Gadd compartilhando suas experiências com Martha.

Embora a agressão sexual e a perseguição tenham sido experiências distintas, Gadd acredita que o sofrimento emocional da agressão criou as condições para o

desenvolvimento de seu relacionamento distorcido com Martha. Quando Martha aparece pela primeira vez no episódio 1, muitos espectadores podem se

perguntar por que Donny está interagindo com ela. Para Gadd, esse sentimento assustador é necessário e o público deve questionar suas ações. No entanto,

quando Martha reaparecer no final do episódio 4, Gadd espera que o espectador entenda a crise de masculinidade de Donny e, por extensão, por que ele se

comporta dessa maneira.

O que o Bebê Rena da Netflix muda em relação à história verdadeira

Gadd queria reter a verdade emocional da história

Richard Gadd vestindo uma jaqueta amarela em Baby Reindeer, da Netflix.

Embora seja uma história verídica totalmente insondável, certos elementos foram alterados para aumentar a coerência da produção televisiva. Essas mudanças

incluem a reorganização dos cronogramas para melhorar o fluxo narrativo. Em última análise, adaptar um espetáculo de teatro solo em uma minissérie de 7

episódios da Netflix não é tarefa fácil. Para Gadd, o mais importante era manter a verdade emocional da história e a integridade da essência dos personagens.

Os detalhes específicos sobre as pessoas que ele modificou foram em grande parte para protegê-las e mitigar o risco de expor todos a uma vulnerabilidade indevida.

Até mesmo Jessica Gunning, que interpreta Martha, absteve-se deliberadamente de se aprofundar muito nos antecedentes da pessoa real, pois isso não serviria

para sua representação. Em vez de tentar imitá-la, Gunning queria fornecer uma versão independente e cuidadosa da personagem baseada no roteiro que Gadd

escreveu. Além da moralidade da história e dos debates de gênero em torno da perseguição e do assédio, Gadd espera que a profundamente pessoal e autobiográfica

Bebê Rena toque as pessoas e as comova emocionalmente, fornecendo uma fonte de conforto e catarse para aqueles que passaram por traumas igualmente

desconcertantes. Certamente serviu a esse propósito para ele.

 

Todos os sete episódios do Bebê Rena estão disponíveis para transmissão na Netflix.

Fontes: The Guardian , The Independent , RadioTimes , The Times e Still Watching Netflix .

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verified by MonsterInsights