Maldição da Floresta: final explicado

“Explorando a Natureza do Sobrenatural: A Jornada em Busca do Espírito da Floresta, Parnag Fegg”

Dirigido pelo cineasta e roteirista britânico Ben Wheatley, “Maldição da Floresta” é um filme de terror que evoca o estilo lovecraftiano de forma emocionante,

envolvente e visceral, criando um ambiente sombrio com uma abordagem cética em relação ao próprio mito. A jornada visual única mescla elementos de ficção

científica, bruxaria e uma reflexão sobre a natureza da fé, apresentando imagens perturbadoras e momentos de horror visceral.

A trama acompanha o biocientista Martin e a guarda florestal Alma, que se aventuram em uma perigosa expedição até o coração da floresta em busca de um campo

de pesquisa envolto em neblina e mistério. À medida que a história se desenrola em um reino metafísico, a narrativa se torna cada vez mais complexa, suscitando

reações polarizadas por parte do público.

Você pode encarar isso de diversas maneiras, porém, a atmosfera sinistra e imersiva do filme garantirá que você permaneça envolvido até o desfecho. Os momentos

finais se desdobram em rápidas sequências de luz e sons envolventes, talvez até perdendo alguns detalhes no processo. Se isso acontecer, permita-nos guiá-lo de

volta ao intrigante ambiente da floresta.

 

|   RELACIONADO:
Mea Culpa: O verdadeiro significado das pinturas
 

 

“Sinopse do Filme”

Um surto de um vírus mortal abala o mundo, mergulhando-o em uma atmosfera sombria e desafiadora. O cientista Martin Lowery é despachado para um posto

remoto próximo à densa selva de Bristol, com a missão de encontrar a Dra. Olivia Wendle, sua ex-colega do Instituto Fashdale e antiga amante. Logo na abertura,

ele é submetido ao teste do vírus, resultando negativo.

Ao chegar, ele é imerso na lenda local sobre um espírito lendário chamado Parnag Fegg, supostamente habitante da floresta. Após um breve descanso, Martin é

acompanhado pela guarda florestal Alma em uma jornada até o laboratório da Dra. Wendle, uma caminhada que se estende por dois dias, revelando-se uma

travessia extenuante e perigosa. Martin, não tão preparado quanto pensava, enfrenta dificuldades físicas durante o percurso, agravadas pelo roubo de seus sapatos

durante a noite, o que os deixa descalços e vulneráveis, especialmente ele.

Enquanto caminham, Martin sofre uma lesão no pé, e nesse momento, um homem sedutor chamado Zach se aproxima deles. Inicialmente confiando em Zach,

Martin e Alma o veem como um aliado útil. No entanto, a confiança se desfaz quando Zach os droga e inicia rituais de bruxaria, envolvendo hexagramas. Diante

dessa ameaça, Martin e Alma fogem, apenas para caírem em uma armadilha ainda mais perigosa.

 

“O Status de Martin: Morto ou Vivo?”

Inicialmente, Zach demonstra confiança em suas habilidades. Ao examinar o ferimento de Martin de forma descuidada, ele procede a suturá-lo com um fio de náilon

não esterilizado, cuja falta de assepsia só será evidente mais tarde. Oferece então uma bebida que parece feita de flor de sabugueiro, porém, que revela ser diferente

do que ele afirma, resultando na inconsciência da dupla.

Em seguida, Zach conduz Martin e Alma a outra sala, onde os veste e realiza fotografias em rituais. Ao ser confrontado, ele justifica suas ações como parte de um

ritual para apaziguar os espíritos da selva, menosprezando as práticas de Wendle. Conforme a ferida de Martin se agrava, Zach decide pela amputação.

Neste ponto, Zach exibe sinais de desequilíbrio. Ignorando os apelos de Martin por assistência médica, ele prossegue cortando parte dos dedos do pé de Martin.

Felizmente, Alma intervém a tempo, resgatando Martin antes que seja tarde demais. Enquanto tentam escapar, Zach os persegue com um machado após ferir Alma

com uma flecha.

Martin permanece sob vigilância das câmeras de sensor de movimento para guiá-lo, porém uma neblina reduz sua visibilidade. No meio da luz brilhante e ofuscante,

a silhueta de Zach cria uma atmosfera enigmática.

Entretanto, Zach retrocede misteriosamente após uma experiência aparentemente sobrenatural, enquanto Martin se reúne com Alma. Posteriormente, eles

descobrem o local de pesquisa de Olivia, onde revelações sobre Zach e Martin são feitas. Olivia sugere que a selva estabeleceu uma conexão neural com eles,

aprisionando-os. Alma enfrenta desafios ao atravessar uma densa névoa de cogumelos.

No desfecho, Olivia é contatada por um espírito lendário, buscando sua ajuda para um experimento. Martin se voluntaria para a tarefa, sem saber do sacrifício

necessário. Zach revela mais tarde esta exigência, mas a penúltima cena revela que Martin está vivo. Alma o desperta, prometendo resgatá-lo da selva.

 

Zach e Olivia morreram?

Entretanto, as incertezas sobre o destino de Olivia e Zach ainda permeiam a mente do público. Alma foge de seu posto próximo à pedra e retorna à tenda, onde

encontra Olivia tocando piano no derradeiro encontro. A sala, contudo, está adornada com fotos provavelmente capturadas por Zach.

Apesar de estarem separados, Olivia e Zach se unem neste ritual de bruxaria panteísta. Ambos almejam invocar o espírito definitivamente. Embora inicialmente o

público possa considerar Olivia uma mulher da ciência, sua consulta a um livro de bruxaria mostra que estamos equivocados.

Parece que o casal separado encontrou um meio-termo na selva isolada e mística. Após a revelação, Alma e Zach entram em confronto. Alma fere os olhos de Zach e,

embora seja um homem aparentemente versado nos caminhos da natureza e confiante em seu conhecimento, Zach pede para ser levado a um hospital em seu último

momento. Enquanto Alma, enfurecida, o ataca, ele parece sem vida, mas o destino de Olivia permanece desconhecido. Alma pode tê-la eliminado ou, conforme a

lenda sugere, ela pode ter se fundido com a natureza.

 

“É Real o Espírito da Floresta?”

O espírito da floresta é conhecido como Parnag Fegg, cuja tradução aproximada é luz e som. Este é o ser espiritual com o qual Olivia e Zach tentam estabelecer

comunicação. Embora raramente assuma uma forma física, sua presença é sentida no ambiente enigmático da floresta. Após sua experiência visceral, ao retornar ao

acampamento, Alma descreve o espírito de forma vaga e discordante.

“Não é o que você imagina. É tudo”, diz Alma a Martin. O filme sugere que toda a floresta é um organismo vivo, pulsante. Todo o ecossistema é dinâmico e vivo, mas

o foco principal é no fenômeno das micorrizas – organismos interdependentes e simbioticamente conectados que promovem uma sensação de unidade. Embora

sejam árvores e fungos diferentes, estão ligados por uma intrincada rede de raízes. Os enigmas da natureza se manifestam de maneiras viscerais e perturbadoras;

combinados com a natureza humana para conectar os pontos, esses mistérios moldam a figura de um espírito da floresta no folclore local.

O espírito nunca é visualizado, exceto talvez no final, quando se aproxima do acampamento com uma tocha acesa, possivelmente representando Zach. Essa

alucinação pode ser resultado de uma substância presente na própria névoa, sugerindo que o espírito é uma criação da mente supersticios.

Maldição da Floresta está disponível na Netflix.

Respostas de 2

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verified by MonsterInsights