A série espanhola de oito epsodios já está disponível para transmissão

      “ATENÇÃO:Este artigo contém spoilers sobre a série Não nos Calaremos”

Uma jovem de 17 anos faz uma denúncia de assédio sexual na escola, mas a investigação vira sua vida do avesso e coloca seus relacionamentos à prova”, diz a sinopse oficial da série.há 1 dia

|  RELACIONADO:

 

 

 

 

Não nos Calaremos da Netflix é baseado em uma história verdadeira?

Não nos Calaremos é baseado no livro de ficção homônimo de Miguel Sáez Carral, lançado em 2021. No entanto, o tema explorado em suas páginas é, infelizmente, muito familiar.

Alma descobre que Berta (Teresa de Mera), uma ex-colega de escola com quem ela se reconecta a caminho de uma festa, foi preparada e estuprada diversas vezes por seu professor de história (Iván Massagué), um homem por quem Alma ainda aprende.

Depois que Berta lhe confidencia a verdade, Alma cria um perfil falso nas redes sociais, @Iam_colemanmiller, onde publica uma série de postagens detalhando o extenso abuso que Berta sofreu e o impacto duradouro que isso teve sobre ela.

Embora a história seja fictícia, o nome que Alma usa para o perfil falso é inspirado em duas mulheres da vida real: Daisy Coleman e Chanel Miller.

Coleman era uma defensora das vítimas de violência sexual e uma das protagonistas do documentário da Netflix, Audrie & Daisy.

Ela alegou ter sido estuprada por Matthew Barnett, de 17 anos, em uma festa em Maryville, Missouri, quando ela tinha apenas 14 anos. Sua provação ganhou as manchetes nacionais em 2012, depois que ela decidiu se manifestar.

No entanto, o caso de agressão sexual contra Barnett foi posteriormente arquivado, e ele se declarou culpado de uma acusação menor de perigo infantil, alegando que a relação sexual havia sido consensual.

Coleman cofundou a organização sem fins lucrativos SafeBae (Before Anyone Else) para ajudar a combater a agressão sexual nas escolas. Ela se suicidou em 2020, e quatro meses depois sua mãe, Melinda, também morreu por suicídio.

 

A história de Chanel Miller também foi amplamente divulgada

Ela foi abusada sexualmente por Brock Turner na Universidade de Stanford, Califórnia, durante uma festa de fraternidade em janeiro de 2015. Na época, Miller tinha 22 anos e havia se formado recentemente na Universidade da Califórnia.

Mais tarde, Miller foi encontrada perto de uma lixeira, inconsciente e com algumas de suas roupas faltando.
Turner recebeu uma sentença de seis meses de prisão por agressão sexual a Miller enquanto embriagado, agressão sexual a ela enquanto ela estava inconsciente e tentativa de estupro.
Ele cumpriu metade da sentença de seis meses de prisão e foi colocado em liberdade condicional por três anos.

Miller publicou suas memórias no livro "Know My Name". Em uma entrevista ao The New York Times, ela compartilhou que sua provação "sempre fará parte" de sua vida.

Fonte: New York Times

 

Não nos Calaremos: Está disponível para transmissão na Netflix

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verified by MonsterInsights