O filme “The Post – A Guerra Secreta”: Um Drama Épico sobre Coragem Jornalística

Tele debateu intensamente a decisão por trás da divulgação de informações altamente confidenciais do The Washington Post em 1971 nos Documentos do

Pentágono é trazido à vida no novo filme The Post, no qual Meryl Streep retrata a lendária editora Katharine Graham e Tom Hanks assume o papel do

brilhante editor executivo, mas assertivo, Ben Bradlee.

Como Graham, Streep encarna uma líder que opta por publicar as informações explosivas sobre a Guerra do Vietnã sob imensa pressão, tanto das autoridades

governamentais quanto de seus próprios funcionários e advogados.

 

|   RELACIONADO:

Crimes do Colarinho Branco: Como Neal realmente fingiu sua morte?

Os jornais caíram nas mãos do The Washington Post num momento delicado. O New York Times, que foi o primeiro a relatar sobre os documentos, havia sido

temporariamente proibido de publicar as informações, revelando que o governo havia mentido repetidamente ao público sobre o progresso na Guerra do Vietnã.

Os editores do Post tiveram uma breve janela de oportunidade para iniciar a história. O Presidente Nixon e sua administração lutaram incansavelmente para

impedir que as informações se tornassem públicas, até mesmo levando o caso ao Supremo Tribunal.

Aqui está o que o Post acerta (e erra) sobre o papel do jornal na publicação dos Documentos do Pentágono.

Daniel Ellsberg trabalhava para a corporação RAND quando decidiu vazar os Documentos do Pentágono.

Ellsberg, interpretado no filme por Matthew Rhys, trabalhou como analista militar para a corporação RAND, onde secretamente copiou documentos militares

confidenciais para fotocopiá-los durante três meses em 1969. Ele fazia cópias dos documentos e os devolvia no dia seguinte, e em 1971, enviou ao New York Times

7.000 páginas expondo as mentiras do governo sobre a Guerra do Vietnã.

Por isso, Ellsberg tornou-se a primeira pessoa a ser processada sob a Lei de Espionagem de 1917 e enfrentou uma sentença de até 115 anos de prisão. As acusações

foram retiradas, no entanto, em um julgamento anulado, quando descobriu-se que o governo tinha espionado ilegalmente o denunciante.

Desde então, Ellsberg tornou-se um ativista que condena o sigilo governamental. Recentemente, publicou o livro The Doomsday Machine, um relato revelador do

programa nuclear americano na década de 1960.

Na época do vazamento, o The Washington Post estava em processo de se tornar uma empresa de capital aberto. Katharine Graham observou em uma

entrevista à NPR em 1997 que o The Washington Post estava em uma posição vulnerável durante o período em que decidiu publicar os Documentos do

Pentágono, pois estava em processo de tornar-se público.

“Anunciamos nossos planos e não vendemos as ações”, disse Graham. “Portanto, estávamos particularmente sujeitos a qualquer tipo de processo criminal por parte

do governo.”

No filme, esse fato pesa muito sobre Graham, que assumiu a liderança do jornal após o suicídio do marido. Além dos riscos legais, a publicação dos jornais

representava uma ameaça potencialmente existencial ao jornal.

 

Quando os jornalistas do Post receberam os jornais, eles estavam fora de ordem e sem número de página.

Conforme retratado no filme, os repórteres do Post realmente acamparam na biblioteca de Ben Bradlee para examinar os jornais – que não estavam exatamente

organizados de forma eficiente. Os documentos completos do Pentágono foram desclassificados em 2011, tornando-os totalmente disponíveis online pela primeira

vez. O Washington Post informou em 2011 que as versões vazadas dos documentos que ele e o New York Times receberam estavam fortemente redigidas,

incompletas ou ilegíveis.

 

Katharine Graham estava dando uma festa na noite em que decidiu publicar os Papers.

Em seu livro de memórias de 1997, História Pessoal, Graham escreveu que estava dando uma festa para um funcionário que estava saindo e estava entregando um

brinde, assim como no filme, quando foi chamada ao telefone para decidir se deveria publicar os papéis. Depois de muito debate – e, como no filme, finalmente

percebendo que a decisão cabia apenas a ela – Graham disse: “Vá em frente, vá em frente. Vamos. Vamos publicar.”

Graham era conhecido por dar grandes festas, com a presença de amigos, incluindo altos funcionários do governo, como o secretário de Defesa, Robert McNamara.

(É difícil determinar se ela estava usando um caftã dourado tão fabuloso quanto o que Streep usa no filme.)

 

O caso chegou ao Supremo Tribunal Federal, que decidiu a favor do Post.

O Supremo Tribunal apoiou a imprensa ao decidir a favor de que o Post e o New York Times publicassem a informação ultrassecreta nos Documentos do

Pentágono. Em uma votação de seis a três, o tribunal decidiu que o governo não provou adequadamente que tinha o direito de proibir os jornais de publicar a

história confidencial da Guerra do Vietnã, alegando que era um risco para a segurança nacional.

 

O Presidente Nixon não baniu o Washington Post da Casa Branca depois que o jornal publicou os Documentos do

Pentágono.

Embora a publicação dos Documentos do Pentágono tenha irritado Nixon depois de seu conselheiro de segurança nacional, Henry Kissinger, lhe ter dito que as fugas

o faziam parecer um “fraco”, o antigo presidente não proibiu os repórteres do Post da Casa Branca de reportarem sobre elas. Mais tarde, quando a reportagem do

Post sobre o escândalo Watergate ganhou força, Nixon começou a proibir os repórteres de cobrir eventos sociais na Casa Branca – embora os jornalistas ainda

tivessem suas credenciais de imprensa. No filme, essa proibição ocorre antes, quando Hanks, como Bradlee, está tentando descobrir como cobrir o casamento de

uma das Primeiras Filhas, já que seus repórteres estão proibidos de comparecer.

Fonte: Times

O filme “The Post – A Guerra Secreta” está disponível para transmissão no serviço de streamin da Netflix.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verified by MonsterInsights