O Destino de Sibylla em “Cruzada” versão do diretor

   “ATENÇÃO: Este artigo contém spoilers importantes sobre o filme “Cruzada “

A edição do diretor de Cruzada, a narrativa épica das Cruzadas de Ridley Scott de 2005, proporciona complexidade e sutileza à personagem de Eva Green,

elevando-a de um mero interesse amoroso a uma personagem plenamente desenvolvida. Cruzada, estrelando Eva Green, Orlando Bloom e Ghassan Massoud,

oferece uma visão fortemente ficcional dos eventos que antecederam a Terceira Cruzada e a batalha por Jerusalém. Este épico histórico concentra-se em Balian de

Ibelin, um ferreiro que busca redenção em Jerusalém após a perda de sua esposa, sendo essencialmente um homem de bom coração, cujas ações influenciam o

curso da história e estabelecem uma relação respeitosa com o sultão aiúbida Saladino.

O desempenho do filme foi considerado mediano tanto pela crítica quanto nas bilheterias, sendo criticado pela falta de profundidade e pela imprecisão histórica.

No entanto, uma versão do diretor foi lançada em 2005, restaurando 45 minutos de material que havia sido cortado pelo estúdio. Essa nova versão recebeu elogios,

com as cenas adicionais proporcionando a profundidade e as nuances que faltavam à versão original. Uma das personagens que mais se beneficia desse acréscimo é

Sibylla, interpretada por Eva Green.

 

|   RELACIONADO:
Os Mortos Não Morrem – Final explicado

 

“A versão do diretor também apresentou um documentário intitulado O Caminho para a Redenção e um featurette chamado Precisão Criativa: A Opinião dos Acadêmicos, onde estudiosos expressam apoio ao filme e elogiam sua precisão histórica.”

 

O que acontece com Sybilla de Eva Green na versão do diretor de Kingdom Of Heaven?

Eva Green usando um turbante e olhando para baixo no Reino dos Céus

Na versão original nos cinemas de Cruzada, Sibylla é principalmente retratada como o interesse amoroso de Balian. Quando ele chega à Terra Santa, Sibylla o

visita em sua propriedade herdada, e os dois se apaixonam. Ela é a princesa de Jerusalém, irmã do rei leproso, e está presa em um casamento infeliz com o brutal

Guy de Lusignan. Os dois se tornam amantes, e o rei mais tarde encoraja Balian a se casar com ela e a se tornar o próximo na linha de sucessão ao trono, mas ele

se recusa. No desfecho do filme, Sibylla renuncia à sua pretensão ao trono, e ela e Balian retornam à sua casa, onde ele retoma sua vida como ferreiro.

Esta versão da história dela carece de profundidade e não explora os motivos de Sibylla para permanecer ao lado de Guy por tanto tempo, nem por que ela apoia

suas ambições e suas guerras. No entanto, a versão do diretor apresenta uma subtrama inteiramente nova para ela, corrigindo essa falha. Na versão do diretor,

Sibylla tem um filho pequeno, também na linha de sucessão ao trono. Entretanto, ela descobre que ele também está sofrendo de lepra, notando que a cera quente

não o queima. Após confirmar o diagnóstico, ela fica horrorizada e, testemunhando o declínio e a morte de seu irmão, toma a difícil decisão de dar veneno ao filho,

segurando-o nos braços enquanto ele sucumbe.

A subtrama cortada do diretor do Reino dos Céus de Eva Green adiciona camadas à sua personagem

A adição de um filho para Sibylla pode parecer insignificante à primeira vista, mas transforma sua jornada de um interesse amoroso a uma figura trágica,

explicando suas decisões ao longo do filme. Na versão teatral, sua escolha de entregar a coroa a Guy após a morte de seu irmão, apoiando suas campanhas militares

e indo contra os esforços de seu irmão por uma paz duradoura, parece inexplicável. No entanto, com a introdução do filho, tudo se encaixa. Sibylla se vê

encurralada e disposta a fazer qualquer coisa para proteger o futuro de seu filho.

A tragédia atinge seu auge quando é revelado que seu filho também está sofrendo de lepra, levando Sibylla a uma dolorosa decisão de lhe administrar veneno,

poupando-o do sofrimento que testemunhou em seu irmão. Ela sacrificou tudo por ele, apenas para perdê-lo quase imediatamente – e essa perda adiciona outra

camada à sua história e influencia sua decisão de eventualmente renunciar à reivindicação de Jerusalém e retornar com Balian. Essa mudança, entre outras na

versão do diretor de Cruzada, eleva significativamente a profundidade e o impacto do filme.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verified by MonsterInsights