Feito Na América: Final explicado –  o que aconteceu com Barry Seal?

Feito Na América dramatiza a história mais estranha que a ficção do piloto traficante de drogas Barry Seal, mas acaba chegando a um final alarmante.

  “ATENÇÃO: Este artigo contém spoilers importantes sobre o filme Feito Na América”

Feito na América recria a dramática história real de Barry Seal, um piloto comercial que contrabandeava milhões de dólares em drogas, apenas para se tornar

um informante da DEA e encontrar um fim trágico. Tom Cruise se reuniu com Doug Liman, de Edge of Tomorrow, para interpretar Seal na cinebiografia de

2017. Recebendo reações positivas tanto da crítica quanto do público, Feito na América tomou algumas liberdades criativas, mas ainda assim fez um trabalho fiel

ao expor a política de bastidores do comércio de drogas na década de 1980. Embora Seal tenha feito fortuna com suas operações antidrogas de alto perfil, ele era

apenas uma peça de um quadro mais complexo e maior.

O final de Feito na América exemplifica as realidades socio-políticas da época, não apenas investigando a morte prematura de Seal, mas também as medidas que o

governo americano tomou depois disso. Desde “Extreme Ways”, de Moby, que estabelece uma tradição cinematográfica em A Identidade Bourne, até a

empolgante balada “Love Me Again”, de John Newman, encerrando Edge of Tomorrow, os melhores filmes de Doug Liman terminam com faixas icônicas.

Feito na América não é exceção, já que seus eventos climáticos têm como pano de fundo o poderoso hino do The Heavy, “What Makes A Good Man”. Mesmo

que a música tenha sido lançada em 2012, o final revela alguns momentos que definiram uma era dos anos 80.

 

|   RELACIONADO:

Emily, A Criminosa: Final explicado – O Que Aconteceu Com Emily, Khalil E Youcef?



Por que Barry Seal foi morto?

Um homem atacando o carro de Billy Seal em American Made

Depois de anos voando em missões furtivas pesadas para a CIA e mais tarde contrabandeando drogas para o Cartel de Medellín de Pablo Escobar, Barry Seal começa a perder o controle no terceiro ato de Feito na América. Após uma tentativa desesperada de derrubar um plano para escapar da prisão da DEA, Seal se entrega às autoridades. Na tradição dos finais clássicos de filmes policiais, como o final de Goodfellas ou O Lobo de Wall Street, Seal voluntariamente cede suas informações e contatos à DEA em troca de proteção. Por suas operações ilícitas, o sempre sorridente aviador ainda é punido. Cumprindo sua sentença de 1.000 horas de serviço comunitário, tudo parece estar bem para Seal.

Isso, é claro, até que ele seja misteriosamente morto a tiros. O final de Feito na América sugere que o cartel o assassinou por revelar informações confidenciais à DEA. Mais ou menos, esta é a teoria geralmente aceita para explicar a morte de Seal, embora as teorias da conspiração na Internet sugiram que seu assassinato pode ter sido orquestrado pela própria CIA. Na verdade, a viúva de Seal, Deborah DuBois Seal, até disse ao Daily Mail em 2017 que o governo dos EUA não fez muito para proteger seu marido depois que ele confessou como informante. Ela acrescenta que nem ela sabe quem exatamente pode estar por trás do assassinato de Seal.

 

Por que a CIA destruiu todas as conexões com o selo

Domhall Gleeson segurando um mapa na mão em American Made
Embora o envolvimento da CIA na contratação de Barry Seal posteriormente tenha se tornado de conhecimento público, Feito na América sugere que a agência secreta destruiu imediatamente todas as evidências que a ligavam ao infame aviador depois que ele foi assassinado. Embora não existam provas concretas que apoiem a forma como a CIA escondeu tais provas, é provavelmente protocolo padrão da agência ocultar todas as ligações após a morte de um grande fornecedor de drogas como Seal. Mesmo antes de se envolver com o cartel, as instruções da CIA a Seal para realizar vigilância aérea sobre a América Central sempre foram destinadas a ser um assunto abafado. Contudo, deve-se notar que Monty Schafer, o oficial da CIA que recrutou Seal, era fictício.

 

otzads.net, 23104601857, DIRECT google.com, pub-9063486391387983, RESELLER, f08c47fec0942fa0

Como a CIA financiou os Contras

Tom Cruise segura um telefone em American Made
Embora o personagem de Domhnall Gleeson, Monty Schafer, não fosse real e tenha sido criado apenas para representar o estado coletivo da CIA na época, as ações de Monty no final de Feito na América são de extrema importância na história americana. Momentos após a morte de Barry Seal, Monty exultante é encontrado sugerindo a seus superiores que financiem o grupo militante de direita da Nicarágua Contras por meio de todos os fundos que a agência pode garantir com a venda de armas de fogo americanas no Irã. Esta estratégia funcionou como uma forma perfeita de substituir os fundos que de outra forma seriam angariados pelas constantes operações de contrabando de drogas de Seal. Assim, em questão de segundos, Feito na América insinua o escândalo Irã-Contras.
Para tornar o final mais realista, os segundos finais também apresentam imagens de arquivo reais do então presidente Ronald Reagan e do então vice-presidente George Bush sendo questionados sobre alegações de que os Estados Unidos armaram terroristas iranianos para travar guerra em outros países da América Latina. Ambos os líderes são mostrados esquivando-se das perguntas dos jornalistas, deixando ao espectador deduzir o que realmente aconteceu. Por esta altura, é de conhecimento geral que o caso Irã-Contras foi um esforço da administração Reagan para derrubar o governo de esquerda na Nicarágua, numa época em que a Guerra Fria ainda estava em vigor. Quanto a Barry Seal, infelizmente, ele foi apenas um peão que foi esquecido após sua morte.

 

O que aconteceu com Lucy Seal?

Sarah Wright olhando de lado em American Made
A esposa de Barry Seal, Lucy, é interpretada por Sarah Wright em Feito na América, sendo a personagem uma versão dramatizada da terceira esposa de Seal, Deborah DuBois Seal. A cena final de Feito na América mostra Lucy e seus três filhos se reassentando em Baton Rouge, onde ela trabalha como garçonete. Após a morte do marido, fica claro que ela conseguiu um emprego em um restaurante fast-food para sobreviver. Isso contrasta fortemente com a vida luxuosa que ela levava anteriormente, graças às missões milionárias de Seal. Mas quando a câmera dá um zoom em uma pulseira de aparência cara no pulso de Lucy, o final sugere que talvez ela não tenha se desfeito de toda a sua riqueza.

O destino de Deborah Seal na vida real foi semelhante, conforme ela contou ao Daily Mail, enfrentando dificuldades financeiras após a morte do marido. Na mesma entrevista, ela também revelou que havia conhecido Barry pela primeira vez quando trabalhava como garçonete. É apenas uma ironia infeliz que o final de Feito na América encontre a versão na tela de Deborah, Lucy, trabalhando como garçonete. Não está claro quanto Deborah Seal recebeu dos produtores do filme pelos direitos à história de vida de seu marido, mas ela acrescentou que levava uma vida modesta nas últimas décadas.

O verdadeiro significado do final do American Made

Tom Cruise andando e sorrindo no pôster da American Made

Alguns dos melhores filmes de Tom Cruise oferecem críticas introspectivas aos militares e ao governo. Nascido em 4 de Julho, Alguns Homens Bons e Leõespelo Cordeiro são alguns exemplos.

De uma forma ou de outra, Feito na América continua esta tradição para Cruise e expõe como a hegemonia militarista daAmérica pode influenciar a geopolítica global a um nível preocupante. Doug Liman não recorre a discursos enfadonhos para criticar a corrupção por trás do tráficode drogas; como mostrado no final de Feito na América, o diretor elabora uma abordagem divertida, porém alarmante, para satirizar o funcionamento interno de uma agência secreta infame.

Feito Na América: Está disponível para transmissão no Star+

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verified by MonsterInsights