Toc Toc Toc: Ecos do Além | Final Explicado – A Identidade do Monstro Revelada: Os Pais eram Vilões em Cobweb?

O filme “Toc Toc Toc: Ecos do Além” mergulha nas profundezas do desconhecido, explorando temas complexos de paternidade tóxica, trauma e vingança. Desde seu início promissor, a história nos leva a um mundo onde batidas misteriosas ecoam

nas paredes e segredos sombrios são revelados pouco a pouco. A jornada do jovem Peter, confrontado com uma voz misteriosa na parede de seu quarto, nos leva por um caminho sinuoso de descobertas perturbadoras e eventos sobrenaturais.

Nesta análise, vamos explorar as camadas de significado por trás dos elementos surreais do filme, examinando o impacto emocional de sua narrativa e o que ela revela sobre as profundezas da psique humana e as relações familiares tumultuadas.

 

|   RELACIONADO:
Novo jogo de terror no estilo Resident Evil será lançado no próximo ano
 

 

O que os pais escondiam?

A narrativa deste filme começa de maneira envolvente, capturando nossa atenção desde o início. Somos apresentados a Peter (Woody Norman), um garoto de 8 anos que ouve batidas misteriosas na parede de seu quarto e passa a dialogar com uma

voz feminina que pede socorro. Quando ele compartilha isso com seus pais, estes tentam protegê-lo, sugerindo que seja apenas fruto de sua imaginação. No entanto, à medida que a trama se desenrola, segredos sombrios vêm à tona. No entanto, a

maneira como esses elementos são tratados deixa a desejar, comprometendo o potencial impacto emocional que poderiam ter.

A voz misteriosa da parede instiga Peter a enfrentar o valentão da escola, resultando em um acidente em que o valentão cai da escada e quebra a perna. Senti uma empatia pelo Peter diante dessa situação. Essa mesma voz incita Peter a desconfiar de

seus pais, alegando que não são confiáveis e que escondem segredos, revelando inclusive passagens secretas pela casa.

 

No Final de Toc Toc Toc: Ecos do Além

Após várias revelações, Peter acaba envenenando seus pais Mark (Antony Starr) e Carol (Lizzy Caplan), acreditando que precisam ser punidos por aprisionarem sua irmã, da qual ele nem sabia da existência até então. No entanto, ao libertá-la,

ele descobre que essa irmã é um monstro tanto por dentro quanto por fora.

Este “monstro” é, na verdade, a filha de Mark e Carol, que nasceu com características diferentes, e em vez de aceitá-la, eles a trataram como uma abominação, contribuindo para transformá-la em um verdadeiro monstro. Em vez de acolhê-la e a

ceitá-la como ela é, preferiram privá-la do mundo real, trancando-a e negando-lhe qualquer contato com o exterior. Esse comportamento abusivo dos pais também se estendeu a Peter, que, ao longo do filme, também foi trancado no porão como

forma de punição.

 

As mortes e a Srta. Devine

Mas voltando ao último ato do filme, uma gangue de valentões invade a casa de Peter para se vingar depois dele ter quebrado a perna de um deles. Foi uma cena surreal, quem invade a casa de outra pessoa assim do nada? Porém, no mesmo

momento, a irmã de Peter está solta e acaba lidando com os valentões.

Enquanto isso, Peter entra em contato com a Srta. Devine. Essa professora sempre foi superprotetora em relação ao garotinho, especialmente depois dos comportamentos estranhos que ele vinha apresentando. É surpreendente que ela não tenha

uma assinatura da Netflix para se distrair. Que tipo de professora vai até a casa dos pais do aluno?

Mas enfim, depois que a irmã monstruosa se livra dos valentões, ocorre a cena final frenética, com a Srta. Devine e Peter prendendo-a no calabouço do porão. No entanto, a irmã monstruosa adverte Peter de que estará sempre observando-o das

sombras, não havendo onde ele possa se esconder, pois ela estará sempre presente. O filme termina com Peter petrificado de medo em um quarto, observando a irmã monstruosa se aproximando dele. Embora esse final pareça ser um sonho,

honestamente, eu só queria ver aquela monstruosidade ser eliminada. Esse desfecho foi decepcionante, representando o último golpe na qualidade deste filme.

 

O filme fala sobre?

Uma das principais temáticas do filme abordou a paternidade tóxica, destacando como a crueldade infligida a uma criança pode desencadear raiva e alimentar um desejo de vingança. No entanto, o desfecho do filme foi uma grande decepção para

mim. Embora tenha apreciado o visual impressionante da monstruosidade que se assemelha a uma grande aranha, e seu corpo surreal, a falta de explicações para tantos elementos bizarros tornou difícil para mim abraçar completamente a ideia do

filme.

Além disso, a Srta. Devine, que parecia ter potencial para ser uma personagem marcante, acabou sendo subutilizada ao longo do filme. Embora tenha contribuído com algumas cenas tensas no início, a história se perdeu ao longo do caminho,

culminando em um desfecho bastante insatisfatório.

Compreendo que o filme aborda questões de trauma, e o final com Peter assustado pode ser interpretado como uma representação metafórica de seu trauma diante da figura monstruosa de sua irmã. Ele pode estar traumatizado pelo que aconteceu

com seus pais, embora não tenha agido com más intenções ao causar a morte deles. No entanto, esse evento certamente deixará marcas profundas em sua mente.

Além disso, o filme também lança luz sobre a toxicidade dos pais de Peter e como o abuso pode transformar os traumatizados em monstros. Os traumas familiares podem se perpetuar de geração em geração, deixando as crianças marcadas para o

resto de suas vidas. No entanto, há uma esperança de que Peter possa quebrar esse ciclo destrutivo e ser uma pessoa diferente de seus pais, alguém compassivo e amoroso, apesar de conviver com seus próprios traumas. Embora o final surreal do

filme não tenha me agradado, essa é a interpretação que consigo extrair dele.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verified by MonsterInsights