“Zona de Interesse”: Uma Perspectiva Contemplativa e Aterradora sobre a Família Höss e sua Residência Distorcida e Idílica, de Jonathan Glazer.

O desfecho de “A Zona de Interesse” proporciona uma conclusão inquietante para o perturbador e reflexivo filme de Jonathan Glazer. O cineasta é reconhecido por suas obras altamente originais,

como “Sob a Pele”, estrelado por Scarlett Johansson, e por sua contribuição na direção de vários videoclipes do Radiohead, incluindo “Karma Police”. Glazer foi indicado ao Oscar em duas

categorias por “A Zona de Interesse” no Oscar de 2024: Melhor Diretor e Melhor Roteiro Adaptado. No entanto, seu filme se distingue do romance homônimo de 2014 escrito por Martin Amis.

“A Zona de Interesse” inicia e encerra com uma tela preta acompanhada por uma trilha sonora orquestral atmosférica, evocando os sons inquietantes de máquinas e sofrimento. O filme se destaca

pela abstração cuidadosa e pela inovação artística, explorando um tema terrível. Apresenta uma série de cenários evocativos que contrastam a vida familiar idílica com as realidades horripilantes

de Auschwitz, o mais infame dos campos de concentração alemães durante a Segunda Guerra Mundial. Oferecendo uma visão sem precedentes sobre a banalidade do mal e o horror associado a

Auschwitz, o filme lança luz sobre os responsáveis pela construção e execução deste terrível capítulo da história.

O que acontece no final da zona de interesse

O desenlace de “A Zona de Interesse” se desenrola quando Rudolf Höss, um nazista condecorado e membro da SS, recebe uma missão que o levará de volta a Auschwitz, onde ele outrora fora

comandante. Sua esposa, Hedwig, expressa entusiasmo com a notícia, insistindo que ela e os cinco filhos de Rudolf permaneçam na casa idílica que compartilha um muro com o campo de

concentração. A tarefa de Höss é retomar os planos de desenvolvimento das câmaras de gás, destinadas a serem implementadas para os centenas de milhares de judeus húngaros que estão sendo

enviados para lá.

Em uma festa organizada pelos nazistas em Berlim para celebrar a operação húngara, Höss revela a Hedwig, por telefone, que tudo em que conseguia pensar era em como aplicar gás em todos os

presentes. Naquela que parece ser sua última noite em Berlim, após a festa, ele desce uma série de escadas e começa a vomitar incontrolavelmente, embora nada seja expelido. Olhando para o

corredor escuro, o filme avança no tempo até os dias atuais, mostrando um serviço de limpeza aspirando o chão e limpando os vidros do Museu Estadual de Auschwitz-Birkenau. Então, retorna ao

momento em que Höss desce as escadas na escuridão.

 

Por que Rudolf Höss estava com ânsia de vômito na zona de interesse

Christian Friedel como Rudolph Hoss descendo uma escada no final de The Zone of Interest

Höss enfrenta dificuldades no desfecho de “A Zona de Interesse” por duas razões evidentes. Primeiramente, é provável que ele tenha desenvolvido problemas de saúde devido à sua residência nos

arredores de Auschwitz, o que o levou a receber tratamento médico em Berlim durante sua ausência. A fumaça e a fuligem de Auschwitz aparentemente contaminaram o ar e a água ao redor da

casa de sua família, sugerindo que eles também podem enfrentar problemas de saúde no futuro.

Em segundo lugar, o episódio de vômito de Höss pode ser interpretado como uma metáfora da vileza de sua natureza e, possivelmente, de qualquer vestígio de humanidade que ainda possa sentir

repulsa por seus crimes horrendos. Isso sugere que ele reconheceu a verdade sobre suas ações e, por um breve momento, sentiu a necessidade de vomitar. Esta interpretação é respaldada pelo

ator Christian Friedel em uma entrevista ao The Film Stage.

 

“Acho que é uma luta: o corpo contra a alma. Como o corpo diz a verdade e a nossa mente, podemos nos trair. Somos mestres do autoengano.”

 

Essa interpretação é crucial para compreender a complexidade da representação de Höss no filme. Ele não demonstra remorso genuíno, e o filme não tenta sugerir que ele o sinta. A cena do

vômito, onde ele vomita mas não vomita, simboliza a rejeição de seu próprio corpo e a afirmação de que sua mente está correta. Höss se recusa a ser influenciado pelos horrores que ele deve

perpetrar e não há indicação de que ele os enxergue como horrores. Essa representação é fundamental para garantir que não haja espaço para qualquer redenção ou salvamento moral para o

personagem.

Por que a mãe de Edwiges deixou Auschwitz tão rapidamente na zona de interesse

Hedwig Hoss mostrando flores para um bebê na zona de interesse

Hedwig acorda uma manhã para descobrir que sua mãe, que estava visitando sua casa em Auschwitz há algum tempo, saiu repentinamente com todos os seus pertences durante a noite.

Hedwig fica furiosa, especialmente porque se sente solitária e desmotivada na ausência de Höss.

Ao longo de “A Zona de Interesse”, a mãe de Hedwig apoia a ideia da “casa dos sonhos” e demonstra um orgulho exagerado pelas supostas realizações de sua filha, mas enfrenta noites insones

com os horrores que ocorrem na casa ao lado. Isso a leva a sair no meio da noite sem aviso prévio, incapaz de suportar os gritos e a fumaça provenientes do muro. No entanto, Glazer explicou a

partida da mãe de Hedwig em “A Zona de Interesse”, enfatizando que não foi motivada por sua consciência:

 

“É simplesmente uma questão de proximidade. Para alguém como ela, é como comprar um bife no supermercado e depois visitar um matadouro. Você sabe de onde vem aquele bife, mas realmente não quer estar perto de uma vaca sendo abatida, sentir o cheiro dela, ou ter sangue escorrendo pelos seus sapatos… Não se trata de remorso, nem de redenção. Não há salvação neste filme, e não pode haver. Esses personagens terminam da mesma forma que começaram.”

 

Quem era a garota que colocava frutas à noite?

Imagem térmica de uma jovem servindo comida na Zona de Interesse

Em “A Zona de Interesse”, há uma cena que retrata uma adolescente colocando maçãs e peras nas trincheiras e caminhos que levam a Auschwitz, destinados aos prisioneiros judeus transportados

pelos nazistas. Esta cena é capturada de forma intrigante através de lentes térmicas, destacando a intensa luminosidade da garota em meio ao ambiente sombrio.

 

“Glazer explicou que a garota que deixava comida na Zona de Interesse era baseada em uma pessoa real: uma mulher chamada Alexandria, que deixava maçãs no campo de concentração.”

 

A menina é uma polonesa que vive perto do campo e sai de bicicleta todas as noites para deixar frutas para os prisioneiros. Implícito na narrativa é que ela e sua família também são judias e se

escondem em suas casas para evitar serem detectados pelos oficiais da SS, com as chamas de Auschwitz tão próximas. Glazer explicou que a personagem da garota que deixava comida em “A Zona

de Interesse” foi inspirada em uma pessoa real: uma mulher chamada Alexandria, que deixava maçãs no campo de concentração. Ele acrescentou:

 

“Ela morava na casa em que filmamos. Foi a bicicleta dela que usamos, e o vestido que o ator usa era o vestido dela. Infelizmente, ela morreu algumas semanas depois de conversarmos.“Esse pequeno ato de resistência, o ato simples e quase sagrado de deixar comida, é crucial porque é o único ponto de luz. Eu realmente pensei que não poderia fazer o filme naquele momento. Continuei ligando para meu produtor, Jim, e dizendo: ‘Estou saindo. Eu não posso fazer isso. Está muito escuro. Parecia impossível apenas mostrar a escuridão total, então eu estava procurando a luz em algum lugar e a encontrei nela. Ela é a força do bem.”

 

Explicado o significado da cena atual do museu

O Museu Estadual de Auschwitz-Birkenau na Zona de Interesse

Em “A Zona de Interesse”, a narrativa avança para exibir alguns dos artefatos originais preservados no moderno Museu Estadual de Auschwitz-Birkenau. Höss observa um corredor escuro,

simbolizando o papel sombrio que desempenhou na criação daquele caminho para a humanidade. No extremo oposto da linha do tempo está o museu, erguido em homenagem às vítimas do

Holocausto e como uma refutação à violência dos nazistas, que aspiravam a uma visão de mundo futura desprovida do povo judeu. A cena do museu se destaca em “A Zona de Interesse” como um

emblema do fracasso do Partido Nazista em apagar a presença do povo judeu da história humana.

O verdadeiro significado do fim da zona de interesse

Christian Friedel em um uniforme nazista olhando através de um grande teatro ornamentado de uma varanda em uma cena de A Zona de Interesse

“A Zona de Interesse” brilhantemente retrata os interesses mundanos e as considerações egoístas da família Höss, em meio aos horrores que compõem a base de sua chamada realidade idílica.

O filme apresenta Höss e os nazistas como os monstruosos perpetradores de uma ideologia fascista maligna, enquanto estranhamente os humaniza, concentrando-se exclusivamente na família e

na vida doméstica.

Desde um simples telefonema de um marido para sua esposa anunciando seu retorno de uma viagem de negócios até a empolgação com uma promoção, passando por uma festa na piscina em

meio a um jardim de flores, todas essas são representações de coisas comuns, desejáveis e humanas, porém minadas pelos horrendos contextos ambientais e históricos.

 

“O efeito persistente de assistir ao filme de Glazer é quase tão inevitável quanto os gritos e a fumaça na casa dos Höss, e esse é exatamente o ponto.”

 

“A Zona de Interesse” destaca-se ao mostrar essas ocorrências aparentemente cotidianas dentro do contexto dos objetivos nazistas. O efeito persistente de assistir ao filme de Glazer é quase tão

inevitável quanto os gritos e a fumaça na casa dos Höss, e é exatamente isso que ele pretende transmitir.

A impressão assustadora de “A Zona de Interesse” reforça a falta de elementos humanos no próprio filme, onde muitos dos personagens são retratados como monstros desumanos. Rudolf e

Hedwig conseguiram bloquear a realidade de Auschwitz em prol de seu bem-estar pessoal, o que representa a desumanização dos nazistas durante o Holocausto em geral.

Sinopse:

“A Zona de Interesse” é um drama histórico de guerra escrito e dirigido por Jonathan Glazer. Ambientado durante a Segunda Guerra Mundial, o filme segue Rudolf Höss, o comandante do infame campo de concentração de Auschwitz.

3 respostas

  1. Eu fiquei estarrecida quando assisti o filme pela primeira vez, e o mesmo sentimento quando o vi pela segunda vez. É mais que desumano o que aconteceu, e o filme retrata muito bem. Um genocídio que jamais será esquecido.

  2. Sinceramente fiquei impressionada com a frieza daquele casal, e a cena em que comandante está próximo a um dos incineradores aquela fumaça preta bem próxima de seu rosto e aqueles gritos de desespero inclusive de crianças quase me fez desistir de assistir o filme aquilo mexeu com o meu psicológico e não houve cenas da situação o nosso imaginário ficou com essa parte, não pretendo assistir de novo aqueles barulhos, gritos e berros de dor desespero foi muito forte e real, porém super recomendo pra conscientização de que o mal existe é real.

  3. Minhas dúvidas foram esclarecidas com essa matéria e com toda certeza posso afirmar que esse filme é uma obra de arte, o filme não mostra mas aqueles que entendem um pouco de história sabem o que está acontecendo do outro lado do muro, os gritos conseguiriam me deixar angustiado e no final podemos ter certeza que a maldade está presente no ser humano.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verified by MonsterInsights