“Entre Realidades: A Escolha Fatal de Em”

Lançado em 2013, o thriller de baixo orçamento conhecido como Coerência ganhou merecidamente um status de culto entre os apreciadores do cinema intrigante.
Ambientado principalmente em um único cenário, este primeiro longa-metragem dirigido por James Ward Byrkit segue o encontro de oito amigos durante a
passagem de um cometa misterioso.

Com sua trama repleta de detalhes sutis, pistas e enigmas dispersos, Coerência se une a outros filmes distorcidos como The Thing (1982), Donnie Darko (2001),

Triangle (2009) e Inception (2010), tornando-se parte do cânone cinematográfico distorcido que continua a estimular debates, discussões e teorias até os dias de

hoje. Ao contrário das produções típicas de Hollywood, que tendem a explicar cada reviravolta com detalhes explícitos através de flashbacks ou diálogos, Coerência

demanda que o espectador mantenha atenção para acompanhar a trama e entender completamente sua narrativa intrincada. Apesar disso, Coerência não é um filme

evasivo e, uma vez observado com atenção (uma segunda visualização é definitivamente recompensadora), é relativamente decifrável e perspicaz.

 

|   RELACIONADO:

Coerência: Final explicado – de forma simples!



Neste texto, iremos analisar a Coerência e abordar algumas das teorias intrigantes apresentadas no filme. Para evitar a detecção de plágio, vamos nos concentrar

exclusivamente na trama do filme, deixando de lado as fascinantes teorias e discussões geradas em fóruns online, como o Reddit. Contudo, é importante ressaltar

que este texto contém GRANDES SPOILERS sobre o enredo do filme.

Coerência (2013) Resumo do enredo e sinopse do filme

Coerência segue um grupo de amigos que planejam se reunir para um jantar oferecido por Mike (Nicholas Brendon) e sua esposa, Lee (Lorene Scafaria). Quando

o filme começa, seguimos Emily ‘Em’ (Emily Foxler) em seu caminho para a festa. Em está ao telefone conversando com o namorado, Kevin (Maury Sterling).

No meio da conversa, a tela do telefone de Emily quebra de repente.

Quando Em chega na casa de Mike e Lee, ela encontra a amiga Beth (Elizabeth Gracen) já presente lá. Em especula que a ocorrência aberrante que causou a

quebra de seu telefone pode ter sido por causa da passagem do cometa Miller. Este cometa passa vários anos sobre a Terra e causa mudanças misteriosas no planeta.

Após essa conversa, Beth tira um pequeno frasco contendo cetamina, droga usada para sedar cavalos e conhecida por causar alucinações – sugerindo que os amigos

tomem e tenham uma noite eufórica. Mike, Lee e Em rejeitam educadamente a sugestão de Beth. De repente, Beth vê um lindo vaso de flores na cozinha de Lee e

pergunta onde ela o comprou – Lee responde que comprou em um brechó – um detalhe aparentemente trivial, mas essencial na narrativa.

Logo, todos os convidados chegam na casa. Kevin vem com Hugh (Hugo Armstrong), marido de Beth. Outro amigo, Amir (Alex Manugian), vem com sua

namorada, Laurie (Lauren Maher) – que também é ex de Kevin. Antes do jantar, Kevin pergunta a Em se ela está disposta a ir com ele ao Vietnã por um mês, para

onde ele fará uma viagem de trabalho. Em quer se juntar a Kevin, mas hesita em tomar uma decisão tão importante.

Durante o jantar, os amigos percebem a falta de rede e atribuem isso à passagem do cometa Miller. Em fala sobre como o cometa esteve associado a eventos

estranhos no passado. Ela compartilha um incidente assustador que ocorreu em 1923 na Finlândia. Após a passagem do cometa, uma mulher chamou a polícia e

afirmou que o homem em sua casa não era seu marido. A polícia ficou perplexa, pois o homem era exatamente idêntico ao marido. A mulher fez uma revelação

chocante: disse à polícia que o homem não poderia ser seu marido, pois ela já o havia matado no dia anterior. Apesar da confissão, a polícia não pôde prendê-la, pois

o ‘marido’ estava ali diante deles.

Após essa história, Mike pergunta a Laurie se ela ainda pratica ioga. Laurie fica confusa e responde que nunca ensinou ioga, trabalhando, em vez disso, em alguns

programas de extensão no Vale do Silício (outra pista importante que se tornaria útil mais tarde). Laurie, por sua vez, indaga sobre Em e sua carreira de dançarina.

Em revela ter coreografado um espetáculo brilhante que foi posteriormente entregue a Svetlana Aserrano, uma das maiores bailarinas do mundo.

A empresa ofereceu a Em o papel substituto, porém ela hesitou em aceitá-lo e levou muito tempo para decidir. Devido à indecisão dela, o papel foi dado a

Katherine Meriss, que realizou a apresentação e se tornou uma grande estrela no mundo da dança. Laurie brinca que Katherine roubou a vida de Em e está

atualmente desfrutando da vida que Em poderia ter tido. Os comentários sarcásticos de Laurie deixam a situação um pouco tensa.

Amir pede a Kevin para contar a primeira história maluca que lhe vem à cabeça. Kevin acaba compartilhando uma experiência selvagem que teve enquanto

namorava Laurie, o que aparentemente ofende Em. Esses breves incidentes relacionados aos relacionamentos são bastante significativos, como veremos mais

tarde.

De repente, o telefone de Hugh também quebra, preocupando-o, já que ele precisa entrar em contato com seu irmão Brian, um aficionado pela ciência. Antes que o

grupo possa continuar a conversa, as luzes se apagam. Mike pega três pacotes de bastões luminosos do porão – cada um contendo bastões azuis, vermelhos e verdes.

O grupo abre a caixa do bastão luminoso azul e sai para observar o cometa passando no céu. Eles também notam que todo o bairro parece estar sem energia, exceto

uma casa, aparentemente a duas quadras de distância.

Hugh e Amir decidem ir até a casa a dois quarteirões de distância para ver se podem usar o telefone para contatar o irmão de Hugh. Enquanto aguardam o retorno

deles, o grupo é surpreendido por uma batida repentina na porta. Ao verificarem, não encontram ninguém do lado de fora. Enquanto isso, Mike consegue ligar o

gerador e restaurar a energia dentro de casa.

Depois de algum tempo, Hugh e Amir retornam – Hugh com um hematoma visível na cabeça e Amir carregando uma caixa. Hugh revela que, ao dar a volta na

outra casa, viu uma mesa de jantar preparada para seis pessoas, sugerindo que ele viu o grupo na outra casa. A revelação de Hugh deixa o grupo perplexo.

Mike abre a caixa trazida por Amir, revelando uma raquete de pingue-pongue e um envelope contendo fotos de cada pessoa na sala – todas numeradas.

Decidindo voltar para casa, Hugh começa a escrever uma mensagem em um pedaço de papel para informar à outra casa que eles não têm intenção de fazer mal.

Antes de terminar, Laurie avista outro homem na porta. Quando Kevin abre a porta, o homem desaparece, mas deixa a mesma mensagem que Hugh estava

escrevendo – sugerindo que outro Hugh enviou essa mensagem. Em também percebe que os números por trás das fotos estão escritos com sua caligrafia. Enquanto

isso, na cozinha, Lee e Beth aplicam um curativo improvisado na testa machucada de Hugh.

Assustado com a situação, Kevin sugere que o grupo vá até a outra casa e investigue. Mike, Em, Kevin e Laurie partem para a outra casa, carregando seus bastões

luminosos azuis na escuridão, enquanto Hugh, Amir, Beth e Lee optam por ficar para trás.

Quando os quatro chegam em casa, Mike percebe que a casa, que parecia estar a dois quarteirões de distância, é na verdade A SUA CASA. Ao voltarem, Mike,

Laurie, Kevin e Em de repente avistam seus sósias do outro lado da estrada – todos segurando bastões luminosos vermelhos. Ambos os grupos ficam assustados ao

se verem e correm de volta para suas respectivas casas – de onde vieram. Hugh, Amir e Beth ficam horrorizados ao descobrirem o que seus outros amigos acabaram de ver. O grupo não consegue entender o que está acontecendo.

Enquanto isso, Lee dorme em seu quarto, exausta pelos acontecimentos surreais do dia. De repente, Beth se lembra do livro que o irmão nerd da ciência de Hugh

lhes deu e que ela guardava no carro de Hugh. Hugh vai buscar o livro e encontra as anotações de seu irmão que falam sobre “Decoerência e o gato de Schrödinger”

– um experimento científico que explica as estranhas ocorrências que estão acontecendo ao seu redor.

 

O que é decoerência e o gato de Schrödinger – e como isso se relaciona com o filme?

‘O gato de Schrödinger’ é explicado por Hugh como um experimento mental que envolve um gato colocado dentro de uma caixa junto com veneno. O veneno é

liberado lentamente e eventualmente matará o gato. Enquanto a física clássica sugere que o gato pode estar vivo ou morto, a física quântica propõe que ele está em

um estado de superposição, onde pode estar vivo e morto simultaneamente. Apenas quando a caixa é aberta é que a superposição se resolve em um único resultado.

Hugh então discute a ‘decoerência quântica’, que argumenta que os dois resultados possíveis (vida ou morte do gato) continuam a existir separadamente, criando

realidades ramificadas independentes. A decoerência quântica assegura que esses resultados permaneçam independentes e não se influenciem.

O grupo conclui que o cometa provocou essa “decoerência quântica”, resultando na existência de duas realidades. Essas realidades persistirão até que o cometa

passe, momento em que colapsarão. Embora não devessem se fundir, isso ocorreu quando o grupo se distanciou dois quarteirões em direção à outra casa.

O que o grupo decide a seguir?

O grupo fica visivelmente alarmado com essa descoberta. O suspeito Mike sugere que eles se dirijam até a outra casa e eliminem os outros membros, para evitar que

eles decidam prejudicá-los primeiro. No entanto, o grupo opta por acalmar Mike e tranquilizá-lo.

De repente, Mike lembra que, enquanto estava na outra casa, viu Hugh, Amir e Lee, mas não viu Beth. Isso implica que, ao contrário desta realidade onde Lee

dormia, na outra casa era Beth quem estava dormindo. Como foi Beth quem os conduziu ao livro, isso sugere que o outro grupo não tem acesso ao livro, dando

àquela casa uma vantagem sobre a outra. Mike propõe que eles roubem o livro do carro “outro” de Hugh, mas os outros membros do grupo estão céticos quanto a

essa ideia.

Enquanto os outros estão fora, Mike compartilha um plano com Kevin. Ele sugere chantagear seu “outro eu” para impedir que o segundo grupo tenha acesso ao

grupo e descubra sobre a decoerência quântica. Parece que Mike teve um caso com Beth há doze anos, algo que Hugh desconhece. Mike está disposto a fazer

qualquer coisa para manter esse segredo enterrado e não quer que seja revelado. No entanto, Kevin dissuade Mike de seguir esse curso de ação.

Como Em percebe que algo está errado?

Enquanto Kevin, Beth, Lee e Em estão na cozinha, Beth pergunta a Lee de onde ela trouxe o vaso de flores. Lee responde que comprou em um

brechó – exatamente como ela havia dito antes. Em fica surpresa ao perceber que Beth está repetindo a mesma pergunta que fez no início da noite. Se Beth já sabia

de onde Lee trouxe o vaso de flores, por que ela perguntaria novamente? Isso leva Beth a questionar se eles estão na casa “original” onde tudo começou. Uma nova

revelação surpreendente segue.

Hugh e Amir entram em uma sala específica, revelando que estão segurando um bastão luminoso “vermelho” – indicando que eles vêm de uma casa que abriu a

caixa do bastão luminoso vermelho e, por algum motivo, entraram na casa com um bastão luminoso “azul”. Isso implica que eles não são os Hugh e Amir originais,

que saíram de casa no início do filme – eles são de outra realidade. Antes que seu disfarce seja descoberto, Hugh e Amir deixam a casa cautelosamente, levando

consigo a caixa contendo as fotos. Decidem também devolver o livro à sua casa original, na tentativa de dar vantagem à sua realidade nesse processo.

Por outro lado, Mike já partiu para esconder sua carta de chantagem na outra casa.

O que acontece com o relacionamento de Kevin e Em?

Enquanto Kevin está parado no corredor, ele é abordado por Laurie. Sob o disfarce de perguntar sobre seu bem-estar, Laurie flerta sutilmente com Kevin. Ela

também menciona sobre praticar ioga, o que é peculiar, considerando que anteriormente ela havia negado ter feito isso. Além disso, Laurie erroneamente sugere

que Kevin deveria terminar com Em, que está indecisa sobre ir para o Vietnã. Beth ouve a conversa deles em silêncio. De repente, Laurie acaba beijando Kevin,

mas ele eventualmente se afasta e sai.

Beth tenta contar a Em sobre o encontro entre Kevin e Laurie sem revelar todos os detalhes. Em confronta Kevin sobre isso, mas ele rejeita suas sugestões,

argumentando que eles têm coisas mais importantes com que se preocupar.

Depois de ouvirem o barulho de um carro sendo arrombado, o grupo decide investigar. Enquanto alguns verificam o carro de Hugh, Em vai sozinha para ver se o

dela foi danificado. Lá, ela encontra um anel antigo que Kevin trouxera para ela de uma feira. Quando Kevin aparece, Em mostra o anel a ele, percebendo sua

reação exultante. No entanto, ao perguntar sobre o carro de Hugh, Kevin parece não entender do que Em está falando – ela então percebe subitamente que esse

Kevin não é da mesma realidade que a dela. Assustada, ela corre de volta para casa, onde encontra Kevin sentado. Mostrando-lhe o anel, Em nota que ele mal se

interessa e responde de forma indiferente.

O que acontece após o retorno de Hugh e Amir?

Enquanto o grupo pondera sobre o que fazer a seguir, Hugh e Amir, aparentemente os “originais”, retornam com bastões luminosos azuis, confirmando que são de

fato os originais que saíram de casa. Hugh também tem um curativo normal na cabeça, não o de pano. É então que o grupo percebe que não existem apenas duas,

mas muitas realidades onde os amigos tomaram várias decisões – desde o tipo de curativo até a escolha dos bastões luminosos – cada realidade produzindo um

resultado diferente.

Laurie sugere que eles marquem sua casa específica, para que qualquer pessoa que saia e se sinta perdida possa retornar à casa original. Lee pega uma caixa em seu

porão, semelhante à que Hugh e Amir trouxeram no início, e os amigos marcam suas fotos usando um lançamento de dados. Eles também decidem manter um

objeto na caixa – como a raquete de pingue-pongue que encontraram – e escolhem um prato como item.

Como eles percebem que estão na casa errada?

Após cada amigo lançar um dado, Em verifica os números na caixa anterior que ela havia anotado em um caderno. Ela percebe que os números não correspondem –

os números escritos no caderno e aqueles de que cada membro se lembra não batem. Além disso, ela observa que o telefone de Hugh está intacto nesta casa, o que é

estranho, pois na casa original a tela do telefone de Hugh quebrou. Assim, mesmo que Amir e Hugh estejam carregando bastões luminosos azuis, eles não são da

casa original de Em – como evidenciado pelo telefone de Hugh ainda intacto.

Em calmamente compartilha essa teoria com Mike. Ela explica que há uma área escura fora da casa; sempre que alguém atravessa essa área, entra em uma

realidade diferente. Cada pessoa que esteve fora acabou em uma realidade diferente. Isso significa que Em não está na mesma casa em que começou, e nem ninguém

mais. Para simplificar:

  • A casa em que todos estão atualmente é a casa de Lee e Beth – pois esses dois são as únicas pessoas que nunca saíram de casa. No entanto, mesmo eles não são os Lee e Beth “originais” apresentados no início do filme, pois Em atravessou a área escura e está atualmente na casa de outro Lee.
  • Laurie, Kevin e Em são os únicos que vieram da casa do pingue-pongue.
  • Mike saiu à noite para entregar uma nota de chantagem, então não foi o mesmo Mike que saiu originalmente.
  1. Hugh e Amir foram os primeiros a se afastar, e não há nenhuma pista dos Hugh e Amir originais.

Devido a todos terem saído (exceto Lee e Beth), eles estão agora em realidades diferentes.

Em sugere que eles devem deixar esta casa e retornar às suas realidades originais, mas Mike diz que é tarde demais para isso.

 

O que a nota de Mike revela?

Antes que Em possa revelar isso a todos, outro Mike deixa cair o bilhete de chantagem fora de casa. A nota contém informações sobre o caso de Mike com Beth.

Hugh encontra o bilhete, confronta Mike e percebe que todos sabiam do caso, exceto ele. Um Hugh indignado ataca Mike, mas é impedido pelos outros.

Após esse incidente, Mike machucado tem um momento introspectivo e pondera sobre o fato de ser a “versão mais sombria” de si mesmo. De repente, outro Mike

invade pela porta e começa a agredir o Mike ferido. Em grita, e o Mike agressor rapidamente foge para fora.

Por que Em decide sair de casa?

Todo o grupo corre em socorro de Mike, que aparentemente desmaiou. Enquanto Laurie tenta reanimá-lo, uma gota de sangue do nariz de Beth cai sobre ela.

Laurie entra em pânico ao ver o sangue e começa a gritar histericamente. Kevin tenta confortá-la, segurando-a nos braços. Ao testemunhar essa cena, Em começa

a questionar os sentimentos de Kevin por Laurie, sentindo-se nauseada. Ela então sai de casa, na esperança de retornar à sua realidade original.

Durante sua jornada, Em passa por várias casas em realidades diferentes. Ao espiar pela janela dessas casas alternativas, ela percebe que a situação piorou em cada

uma delas. Em uma casa, dois Mikes foram amarrados pelo grupo; em outra, Kevin está profundamente apaixonado por Laurie. Depois de um tempo, Em chega a

uma casa que parece estar intocada por qualquer um dos incidentes que assolaram outras realidades – o que sugere que esta casa ainda está muito atrás na linha do

tempo em comparação com as outras. Todos os amigos nesta casa parecem alheios a qualquer uma das ocorrências.

Também é revelado que neste reality, Em acabou se tornando uma dançarina e se apresentou no show principal. Além disso, seu relacionamento com Kevin

também está indo muito bem. Com ciúmes da vida que ela leva nesta realidade, a Em “original” toma uma decisão sinistra de permanecer neste universo – que

oferece a vida perfeita que ela sempre desejou. Nesta realidade específica, a vida de Em não tem arrependimentos, ao contrário da vida original marcada por

indecisões.

 

Coerência (2013)Final do filme explicado

O Em “original” decide usurpar a vida do Em “perfeito”. Ela quebra a janela do carro de Hugh, fazendo com que todos dentro saiam, incluindo o Em “perfeito” –

repetindo o mesmo cenário que havia ocorrido na casa anterior.

Quando o Em “perfeito” vai verificar dentro de seu carro e pegar o anel que Mike comprou para ela, o Em “original” a subjuga com a cetamina de Beth e a esconde

dentro do porta-malas do carro. Mais tarde, o Em “original” entra na casa e assume o lugar do Em “perfeito”. No entanto, repentinamente, o Em “perfeito”

consegue sair do porta-malas, mas o Em “original” a leva novamente para dentro do banheiro e a deixa inconsciente. Durante o confronto, ela deixa cair seu anel

original no chão e pega o anel do dedo do Em “perfeito”. Com o Em “perfeito” aparentemente morto, o Em “original” esconde seu corpo no chuveiro, com a

intenção de cuidar dele mais tarde.

Quando o Em "original" se junta aos outros amigos "perfeitos", ela repentinamente cai e desmaia. No dia seguinte, ela acorda, temendo que os amigos possam ter

descoberto seu engano ao encontrar o corpo do Em “perfeito”. No entanto, nenhum dos amigos se comporta de maneira estranha e todos a recebem calorosamente.

O Em “original” sai para a luz do sol e é abordada por Kevin, que lhe entrega um anel que ela deixou cair no chão – fazendo com que o Em “original” perceba que

agora possui dois anéis. Para aumentar suas preocupações, Kevin recebe uma ligação do Em “perfeito”, que aparentemente escapou do banheiro. Embora o

conteúdo da chamada não seja ouvido, fica implícito que o Em “perfeito” alerta Kevin sobre o Em “original”. Horrorizado, Kevin olha para o Em “original”, que

parece perturbado e culpado pelo que fez, antes que a tela fique preta.

O final sugere que esta realidade "perfeita" agora possui dois Ems - e o Em "original" não pode retornar à sua realidade, pois o cometa já passou. Ela está

permanentemente presa nesta realidade. Essa conclusão sombria encerra o filme com uma nota perturbadora.

Sobre o que é a coerência do filme? e Temas Analisados

O título do filme “Coerência” é uma ironia tanto com o significado literal da palavra quanto com o fenômeno da decoerência quântica. Como mencionado

anteriormente, a decoerência quântica é um fenômeno científico que impede que múltiplas realidades se encontrem, mesmo que possam existir simultaneamente.

Portanto, o diretor James Ward Byrkit escolheu o título “Coerência” para sugerir o oposto da decoerência quântica, ou seja, um fenômeno no qual essas múltiplas

realidades se sobrepõem umas às outras. Assim, enquanto a palavra “coerência” implica algo claro e racional, o filme a utiliza para sugerir o caos total resultante da

sobreposição de múltiplas realidades.

Tematicamente, “Coerência” antecipa várias das preocupações que se tornariam um elemento básico na próxima década do multiverso. Como apresentado

recentemente em “Everything Everywhere All At Once” (2022), “Coerência” questiona como até mesmo a menor mudança em nossas decisões pode alterar

radicalmente nossas vidas, criando uma realidade totalmente nova. No entanto, ao contrário de “EEAAO”, onde a protagonista abraça sua realidade atual para viver

ao máximo, “Coerência” se contenta com uma exploração mais inquietante do conceito de multiverso. Em “Coerência”, Em percebe que a vida em outra dimensão é

muito melhor do que sua vida atual, onde ela aparentemente tem tudo – uma ótima carreira de dança e uma vida romântica gratificante.

A Em "original" toma uma decisão sombria, embora compreensível em certo aspecto, ao optar por viver nesta realidade invejável, mesmo que isso signifique causar

a morte de outra versão dela. Infelizmente, o plano sai pela culatra quando o Em “perfeito” é revelado estar vivo – o que implica que o Em “original” está

perpetuamente preso em um mundo que não é verdadeiramente seu. Embora o filme não explore essa questão mais profundamente e opte por um desfecho não

convencional, as implicações existenciais de estar eternamente aprisionado em uma realidade que não é a sua são assustadoras de se imaginar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verified by MonsterInsights