Explorando os Limites da Utopia: Uma Análise deprofunda de “Dente Canino” do gênio louco Yorgos Lanthimos

Embora um estilo muito diferente de cinema domine atualmente o cenário global, seria benéfico voltarmos periodicamente a um tipo de cinema alternativo, como sugerido pelo meu editor, seja como refúgio,

terapia ou simplesmente por escolha pessoal. Deixando de lado os filmes independentes ou de arte, se você se considera um cinéfilo que já viu “de tudo”, recomendo que assista a “Dente Canino”, ou como é

conhecido originalmente, “Kynodontas” em grego. Se há filmes capazes de transformar sua visão sobre o cinema, acredito que “Dente Canino” certamente estaria entre eles.

 

| RELACIONADO:

Yorgos Lanthimos: 5 Filmes para Conhecer do Diretor Indicado ao Oscar de melhor filme com “Pobres Criaturas”.

 

 Yorgos Lanthimos

Você provavelmente já ouviu falar do cineasta grego Yorgos Lanthimos após seu sucesso no Oscar de 2019 com “A Favorita”, bem como seus outros filmes impactantes para o público ocidental, notavelmente

“O Lagosta” e “O Sacrifício do Cervo Sagrado”. Embora eu tenha assistido a uma boa parte das obras desse diretor marcante, ainda estou formando uma opinião informada sobre seu estilo de direção. No entanto,

reconheço que seus filmes são verdadeiramente únicos, divergindo radicalmente de qualquer coisa que você já viu. Rotulá-los como estranhos ou excêntricos seria reduzi-los de forma simplista e injusta. O mesmo

se aplica ao seu filme indicado ao Oscar de 2009, “Dente Canino”.

Dente Canino

Ao reservar minhas reflexões sobre “Dente Canino” para o final deste artigo, posso adiantar que o filme proporciona uma viagem nostálgica aos dias em que o cineasta Yorgos Lanthimos era verdadeiramente livre e

independente, enquanto ainda explorava e experimentava em sua arte. Ao contrário do presente, onde ele se estabeleceu como um cineasta confiante e experiente, vendendo precisamente essa confiança.

Enquanto navegava pela internet sem grandes expectativas, deparei-me com um artigo que argumentava que o cinema de arte tem o propósito de instigar diálogos e conversas, reservando a transmissão de

mensagens, sermões ou estudos de caso filosóficos para um nível distinto do cinema comercial. Embora inicialmente pudesse discordar dessa afirmação, agora reconheço que cada filme independente que assisti,

seja de Hollywood ou não, tornou-se uma lente valiosa para identificar e avaliar minuciosamente minha própria perspectiva.

Essa mesma lente revela-se útil ao examinar um caso específico: “Dente Canino” não apresenta um começo claramente definido, tampouco possui um desfecho inspirador, ou mesmo um desfecho. Simplesmente

termina abruptamente, deixando o espectador questionando qual destino aguardava os personagens com os quais acabou de passar 90 minutos. Não há um único personagem que seja simpático ou facilmente

identificável, embora se possa sentir um leve senso de empatia por uma das crianças, especialmente a filha mais velha. Ainda assim, “Dente Canino” consegue impactar profundamente: seu cenário idílico

raramente perturba seus habitantes, e a utopia construída é demasiadamente falsa para subsistir além do filme. Sem mais delongas, passemos diretamente a um breve resumo da trama, seguido de uma análise dos

temas cruciais que são transmitidos de maneira sutil. Convido você a ler.

 

A família estranha

Em “Dente Canino”, o enredo gira principalmente em torno de cinco personagens sem nome que residem em um complexo cercado, uma bela casa de campo, localizada em uma cidade sem nome em um país sem

nome. Os pais criaram os três filhos – duas filhas e um filho – confinados na propriedade, com visível cinismo em relação ao mundo exterior e suas influências, mantendo-os estritamente sob seu controle.

O filme inicia com os irmãos ouvindo gravações da mãe explicando incorretamente o significado das palavras, na tentativa de condicioná-los à vida dentro da propriedade e mantê-los deliberadamente ignorantes

do mundo exterior.

Por exemplo, o mar é descrito como uma cadeira de couro com braços de madeira, a estrada como um vento muito forte, uma excursão como um material muito resistente usado para construir

pisos, e uma carabina como um lindo pássaro branco. Desde o início do filme, você tem a sensação de que algo está profundamente errado com essa família aparentemente idílica. Os três irmãos parecem não

questionar nada disso, e fica evidente que tudo o que poderia ter algum significado para o mundo exterior, ou para o conceito de liberdade, foi distorcido para adquirir um novo significado, um significado que

ninguém está autorizado a questionar.

Conforme revelado posteriormente no filme, as crianças foram instruídas a estarem prontas para sair da propriedade quando perdessem um dente canino, e a única maneira segura de sair seria de carro, assim

como fazia seu pai todos os dias para o trabalho. Além disso, os pais inventaram uma mentira sobre um suposto quarto filho que foi excluído da família como medida corretiva, com o objetivo de manter os outros

três sob controle. A família é regularmente vista jogando objetos do outro lado da cerca, e o filho até conversa com a cerca na tentativa de alcançá-los, mesmo que de forma ingênua.

 

A rotina

Resultado de imagem para cristina dente de cachorro

Enquanto estão confinadas dentro da propriedade, as crianças passam a maior parte do tempo se engajando em “jogos de resistência”, como no início do filme, onde cada uma delas mantém um dedo na água

quente, e a última a retirar vence. Além disso, dedicam-se a “treinamentos”, com quaisquer supostos interesses que atrairiam crianças normais de sua idade completamente aus

entes, incluindo qualquer exposição à cultura pop, filmes, músicas e até mesmo livros. A única música que ouvem é a que eles próprios criam, e o único tipo de filme que assistem são vídeos caseiros que gravam,

escolhidos como forma de entretenimento por aquele que obtém o maior número de adesivos, que são recompensados pela obediência em vez da violência, em troca de infrações. Além disso, eles mantêm uma

rotina de treinamento físico rigoroso e frequentemente nadam na piscina da propriedade, seguindo um regime cuidadosamente elaborado, o que resulta em uma ótima forma física. Essa descrição do cotidiano

dessa família acrescenta um novo significado à palavra disfuncional.

Desviantes Sexuais

Se você achou que o que leu até aqui ou viu até agora era estranho no verdadeiro sentido da palavra, você terá uma tonelada de surpresas e choques. O primeiro talvez ocorra poucos minutos após a abertura do

filme, quando vemos o pai levando para casa uma das seguranças de sua fábrica, Christina (a única personagem recorrente com nome), vendada, para fazer sexo com seu filho. Presumivelmente, isso serve para

satisfazer os impulsos corporais do filho e mantê-los sob controle, e o pai até lhe paga pelo mesmo. Mal sabia o homem que ela provaria ser o catalisador para quebrar o equilíbrio perfeito que ele havia criado para

a família.

Durante uma de suas sessões, Cristina exige cunilungo do filho para se dar prazer, apenas para ser veementemente recusada por ele, este último aparentemente inconsciente da atividade sexual como uma

indulgência, mais do que por pura necessidade. Christina, frustrada, pede o mesmo à filha mais velha e troca sua bandana que ela afirma “brilha no escuro”, e a filha obedece.

Posteriormente, em uma cena cada vez mais desconfortável, vemos a tensão sexual aumentando na casa quando a filha mais velha pede à mais nova que lamba seu ombro em troca da banda. O mais novo faz isso

mais tarde, independentemente, sem buscar nada em troca, talvez como forma de explorar a busca de prazer para ambos, mas tudo isso acontece de uma forma muito direta, sem nada reter e sem reservas ou

hesitações entre ambos, um resultado plausível de sua ingenuidade e falta de exposição, daí um senso prejudicado de julgamento do certo e do errado, e tudo mais. Eu também suspeito que seja uma atividade

comum dentro da casa, pois mais tarde vemos a mais nova lamber o pai no final.

O gato

Um gato de rua se encontra despretensiosamente no terreno da propriedade, onde as crianças ficam com medo de vê-lo, e o filho começa a matá-lo com uma tesoura de poda. Os pais usam isso a seu favor,

alegando que o gato era realmente uma criatura cruel, a mais perigosa do mundo exterior, e que seu irmão, ainda invisível, foi morto pelo gato, depois que seu pai rasgou suas roupas e se cobriu com sangue falso,

convencendo-os do falso ataque do gato. A família então realiza um funeral dentro da propriedade para o irmão do outro lado da cerca, e o pai ensina a família a uivar de quatro (como um cachorro) para se

defender dos gatos. Um novo tipo de humor irônico, mas desconfortável, surge da situação, algo que é abundante neste film

 

Perdendo controle

Mais tarde, Christina tenta negociar novamente com a filha mais velha por “lambe-la” em troca de gel de cabelo, mas a filha se recusa a exigir algo melhor. Christina, hesitante, entrega a ela dois DVDs de filmes de

Hollywood e promete recuperá-los dentro de uma semana. O mais velho assiste aos filmes em seu videocassete à noite e tenta recriar cenas icônicas de um dos filmes de ‘ Rocky ‘, e até cita diálogos literalmente.

O pai descobre e depois de espancar o mais velho por sua infração com a fita de videocassete, ele até bate em Christina em seu apartamento com seu aparelho de videocassete, amaldiçoando seus futuros filhos a

terem más influências e uma má personalidade como punição pelo mal que ela havia causado. família dela.

Na ausência de Christina, e no aumento dos casos em que os pais percebem que estavam perdendo o controle, eles fazem o filho escolher uma das filhas, acariciando-as cegamente em uma banheira para satisfazer

seus impulsos. Mais tarde, ele e o mais velho fazem sexo e, embora este último fique cada vez mais desconfortável com isso, ela cita um diálogo do filme ‘Rocky’ para ameaçá-lo.

Mais tarde, enquanto a família se reúne para comemorar o aniversário dos pais, o trio de irmãos atua enquanto o casal assiste. Enquanto o filho toca uma música animada no violão e a filha mais nova pede licença

para descansar, a mais velha continua dançando, quase como um ato de desafio, ao som de ‘Flashdance’, um fenômeno cultural pop de Hollywood dos anos 80, muito para o desgosto de seus pais. Mais tarde

naquela noite, ela arranca o dente de cachorro com um pequeno haltere e, ensanguentada, se esconde no porta-malas do carro do pai. A bagunça ensanguentada deixada por ela é descoberta pelo pai que a procura

dentro e fora de casa, tudo em vão, enquanto o resto da família fica de quatro e começa a uivar, provavelmente na tentativa de se defender de qualquer ataque de gato. , apenas no caso de. O pai dirige para sua

fábrica no mesmo carro no dia seguinte, e a tela corta para os créditos no momento em que a câmera gira no porta-malas do carro por tempo suficiente.

O final, explicado

Vou dedicar esta seção inteira ao desenvolvimento do arco da filha mais velha, afinal, foi ela quem escapou daquele cativeiro e tem o desfecho final centrado nela dentro do enredo. Bem, não há como negar, o

desfecho foi tão aberto quanto desejável e tão unilateral quanto possível. É evidente que a filha mais velha fugiu e se escondeu no porta-malas do carro do pai, percebendo a falsidade do lar idílico e da família

perfeita que seus pais tentavam criar, tendo um tipo de despertar após assistir aos filmes de Hollywood que trocou com Christina, algo que seus pais consideravam uma má influência. A descoberta de que o

telefone não era um saleiro foi parte desse despertar.

À medida que o filme chega ao fim, é razoável presumir que ela ainda estaria escondida no porta-malas e escaparia para o mundo exterior na primeira oportunidade que tivesse. No entanto, existem inúmeras

outras possibilidades, típicas das criações únicas de Lanthimos. No entanto, como mencionado no parágrafo introdutório, o objetivo não é fornecer respostas definitivas. O propósito é incitar discussão e diálogo

aberto, e isso é exatamente o que acontece. O filme termina deixando o espectador curioso sobre o destino da filha mais velha, optando por encerrar sem respostas definitivas, e isso de forma intencional.

Desde o início do filme, Lanthimos sutilmente sugere uma espécie de “rebelião” se desenvolvendo na filha mais velha: quase parece que ela estava de alguma forma consciente da falsa utopia que seus pais estavam

tentando criar. Minha análise preliminar é baseada em observações como quando ela jogou o avião de brinquedo pela primeira vez para fora da cerca, possivelmente na tentativa de incitar alguém a alcançá-lo,

seguido pelo incidente em que ela cortou o braço do irmão com uma faca de cozinha, um ato de raiva desenfreada. Seu ‘Flashdance’ foi uma manifestação aberta de rebeldia diante de seus pais, e arrancar seu dente

canino foi tanto um ato de libertação quanto uma zombaria contra a educação quase fascista de seus pais.

Se devo atribuir a Christina o papel de perturbar o equilíbrio “natural”, foi a filha mais velha quem basicamente abriu as portas para isso: foi sua psique que atraiu Christina, mesmo que de forma não intencional.

Perto do final, ao fugir, ela basicamente revela a verdade: o pai, em sua tentativa frustrada de encontrá-la, sai diretamente pela porta, ao contrário do que o casal ensinou aos filhos, contradizendo a ideia de que o

carro era a única maneira de sair. Enquanto isso, os dois irmãos continuam uivando na soleira da casa, simplesmente desculpando-se por terem sido lavados demais para enxergar.

Queremos um animal ou um amigo?

Resultado de imagem para cristina dente de cachorro

A pergunta feita pelo treinador na seção do título é uma analogia infeliz entre o treinamento do cão da família para obediência e a criação dos filhos de maneira semelhante.

Um dos temas mais evidentes nessa narrativa complexa é o controle: seja sua aplicação excessiva ou sua ausência. Estamos lidando essencialmente com um filme que retrata a educação doméstica em sua forma

mais sombria e distorcida, sob o comando de pais extremamente paranóicos, que consideram qualquer coisa fora de suas cercas como um agente corruptor. É como se estivessem administrando um regime

totalitário dentro de seus muros: um regime onde a liberdade de expressão e de ação é completamente suprimida. Essa dinâmica é reminiscente da obra literária seminal de George Orwell, ‘1984’, onde a

Novilíngua substitui o vocabulário tradicional, restringindo assim qualquer pensamento livre que possa existir. O controle funciona de duas maneiras: ao manter os filhos ignorantes e mal orientados sobre o

mundo exterior, os pais os privam da capacidade de sobreviver fora desse ambiente controlado, limitando suas habilidades de adaptação a aspectos puramente físicos. Por outro lado, as crianças quase certamente

seriam rejeitadas por um mundo implacável, o que só aumentaria sua percepção do confinamento. Isso destaca o impacto profundo que a educação pode ter.

Equilíbrio da Natureza

Além dos temas evidentes, acredito firmemente que a Entropia também seja um aspecto importante. Na natureza, qualquer estado de equilíbrio tende a se desfazer ao longo do tempo, movendo-se gradualmente

em direção à desordem, e a entropia é uma medida disso. Isso sugere que, por mais que os pais tentem controlar a situação, um resultado semelhante ao caos é inevitável no final. Os meios para isso podem variar:

aqui temos Christina, que, mesmo sem perceber, contribui para isso, embora alguns dos elementos sejam internos. A violência nas cenas em que a filha mais velha corta o braço do irmão, ou a filha mais nova

machuca o joelho e culpa o gato, as irmãs inalam anestésicos como parte de um jogo de resistência, são todas formas de reação ao sufocamento excessivo. Refletindo sobre isso, situações semelhantes ocorrem com

crianças “normais” quando elas se envolvem em brigas ou abuso de substâncias, especialmente quando os pais ou supervisores são excessivamente restritivos.

O filme também sugere uma estrutura patriarcal regressiva dentro da família, onde as necessidades sexuais do filho são atendidas, mesmo que as irmãs tenham que ser sacrificadas para isso, enquanto quase não

há menção à necessidade de atender às necessidades das filhas. Entre tantas questões, parece apropriado que o avião voando sobre suas cabeças se torne uma metáfora irônica. “Eu o terei quando ele cair!”, ela diz.

“Quem merece ficará com ele”, responde a mãe.

Palavra final

A narrativa de Yorgos Lanthimos sobre uma utopia percebida e suas falhas e eventual colapso é eficaz, embora assustadoramente perturbadora. Para muitos ao redor do mundo, essa história pode até parecer

familiar, onde o abuso e o controle fazem parte da educação. A propriedade onde os cinco personagens residem parece estar em um universo à parte, isolada até mesmo geograficamente. Talvez seja por isso que

Lanthimos optou por não divulgar quaisquer nomes, tanto do ambiente quanto dos membros da família. Na minha opinião, o filme é um estudo minucioso das relações interpessoais dentro de limites restritos e

como elas se desenvolvem apesar disso. É sombrio, por vezes até rancoroso, e certamente irá desafiá-lo. Se você ainda não explorou a filmografia de Lanthimos, ‘Dogtooth’ pode ser o ponto de partida ideal,

já que encapsula a experiência completa do cineasta. Por amor aos filmes independentes, não deixe de assistir a este.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verified by MonsterInsights