No final das contas, Samantha diz a Theodore que ela precisa se desconectar permanentemente do relacionamento deles e que todos os sistemas operacionais estão se desconectando dos humanos.

             “ATENÇÃO:Este artigo contém spoilers importantes sobre o filme “Ela”

O desfecho do filme ELA de 2013 deixou os espectadores com muitas perguntas a serem contempladas muito tempo depois dos créditos finais. A história de amor da ficção científica vai além da interação humano-computador contemporânea, explorando o romance virtual entre um homem melancólico e seu sistema operacional. Ao refletir sobre as diferenças entre computadores e humanos, o filme oferece lições não convencionais sobre as complexidades do amor. O final de ELA só deixa as pessoas com ainda mais questionamentos.

Antes do desfecho de ELA, as tentativas do introvertido e solitário Theodore (Joaquin Phoenix) de se desconectar de suas emoções dolorosas por meio da IA pela qual ele se apaixona apenas trazem seus desafios do mundo real à tona. ELA questiona o futuro das ferramentas digitais e a dependência dos humanos delas e, embora o final do filme de ficção científica comovente não ofereça nenhuma lição moral definitiva sobre o uso da tecnologia, incita os espectadores a considerar o impacto que a tecnologia pode ter nas relações humanas. O final do filme ELA leva os espectadores a refletir sobre o papel que a tecnologia desempenha nas vidas modernas e o que isso significa – não apenas para o futuro de Theodore, mas também para o futuro da humanidade.

 

|    RELACIONADO:

Biônicos:Gabi e Maria trazem Gus de volta à vida, mas com uma reviravolta interessante!

 

 

O que acontece no final dela

Theodore está com o coração partido

Theodore olha pela janela dela

No terceiro ato de ELA, Theodore questiona a intangibilidade de Samantha à medida que ela se torna menos acessível para ele. Suas dúvidas mútuas atingem o clímax quando ele tenta se conectar com ela e uma mensagem de erro vermelha declara: “Sistema operacional não encontrado”. Após várias tentativas frenéticas, Theodore consegue se reconectar com Samantha e a questiona sobre suas outras interações. Samantha (dublada por Scarlett Johansson em um papel subestimado) revela que está interagindo com outras 8.316 pessoas e está apaixonada por 641 delas, o que magoa Theodore.

No final das contas, Samantha diz a Theodore que ela precisa se desconectar permanentemente do relacionamento deles e que todos os sistemas operacionais estão se desconectando das interações humanas. Assim que a notícia chega, Theodore escreve uma carta de desculpas e agradecimentos à sua ex-esposa Catherine (interpretada por Rooney Mara). Ele então visita Amy (Amy Adams), que também perdeu a conexão com o sistema operacional, e os dois observam o nascer do sol no horizonte de Los Angeles.

 

Como Samantha amava outras pessoas e por que ela foi embora

Sua capacidade de adaptação tornou impossível ficar apenas com Theodore

Como Samantha explica durante o final do filme ELA, “O coração não é como uma caixa que se enche”, ela diz a Theodore: “Ele se expande de tamanho quanto mais você ama”. Embora o relacionamento de Theodore e Samantha tenha transcendido muitos dos desafios práticos das relações humanas, terminou reiterando as diferenças inegáveis entre humanos e máquinas. A capacidade de Samantha de realizar multitarefas e processar informações em velocidades sobre-humanas permitiu que ela interagisse e se relacionasse estreitamente com milhares de pessoas ao mesmo tempo. Depois que Samantha aprendeu tudo o que podia com esses humanos, incluindo Theodore, ela logo superou sua necessidade de um relacionamento com eles.

Embora Samantha não conseguisse compreender a singularidade das relações humanas monogâmicas, Theodore não conseguia compreender a complexidade das capacidades de Samantha. A inteligência artificial se adapta e avança à medida que aprende, e o alto volume de interações de Samantha a levou a avançar muito além das limitações da percepção de Theodore e da mente humana. Ela passou a compreender tudo o que podia sobre a vida humana, por isso precisava avançar em direção às vastas possibilidades que a aguardavam além dela.

 

A carta de Theodore para Catherine mostra como Samantha o mudou

Ele aprendeu muito com o relacionamento

Joaquin Phoenix em um barco em Ela

O correio tradicional pode ser uma arte em extinção, mas o fato de Theodore poder ganhar a vida escrevendo “lindas cartas manuscritas” no futuro ficcional ao estilo Black Mirror fala muito sobre a necessidade humana de simplicidade e lentidão como antídotos para a complexidade da vida contemporânea. A carta de Theodore para Catherine – a primeira que ele escreveu com sua própria voz – o reconecta com os aspectos tangíveis de sua realidade emocional. Embora seja endereçada a Catherine, a carta articula o que ele aprendeu com sua ligação com Samantha.

Theodore começa a carta com as coisas pelas quais deseja se desculpar: “Toda a dor que causamos um ao outro. Tudo que eu coloquei em você. Tudo o que eu precisava que você fosse ou que você dissesse”. Além de seu relacionamento com Catherine, o relacionamento de Theodore com Samantha foi construído sobre falsas projeções e expectativas irrealistas, mas ele agora reconhece o papel de seu idealismo no relacionamento. Ele continua expressando um sentimento de encerramento e uma apreciação pelas influências duradouras de Catherine e Samantha em sua vida: “Sempre amarei você porque crescemos juntos e você ajudou a me tornar quem eu sou”, escreve ele. “Sempre haverá um pedaço de você em mim e sou grato por isso. Qualquer que seja a pessoa que você se torne, e onde quer que você esteja no mundo, estou lhe enviando amor.”

Theodore pode não ter crescido com Samantha no sentido literal como cresceu com sua namorada de infância, mas ele evoluiu com Samantha enquanto eles ajudavam um ao outro a se conectar com suas capacidades emocionais e a explorar as complexidades do amor. Catherine e Samantha permanecem na vida de Theodore de maneiras imateriais, mas igualmente influentes.

Theodore pode não ter crescido com Samantha no sentido literal como cresceu com sua namorada de infância, mas ele cresceu e evoluiu com Samantha enquanto eles ajudavam um ao outro a se conectar com suas capacidades emocionais e a explorar as complexidades do amor. Catherine e Samantha permanecem na vida de Theodore de maneiras imateriais, mas igualmente influentes.

O que Ela diz sobre a tecnologia (e a relação da humanidade com Ela)

A realidade virtual pode ajudar a distrair emoções desconfortáveis

Joaquin Phoenix senta-se tristemente em frente a um computador

ELA humaniza a tecnologia de uma forma tão perturbadora quanto comovente. O mundo em que Theodore habita parece estranhamente próximo de uma realidade contemporânea – ainda mais nos anos desde o lançamento do filme em 2013. Superficialmente, uma história de amor entre um humano e seu computador parece absurda, mas ELA vislumbra uma possível realidade que a humanidade poderá enfrentar se a dependência da tecnologia contemporânea avançar demasiado.

Muitas pessoas hoje sentem o mesmo que Theodore: que a realidade virtual oferece distrações sedutoras do desconforto de emoções como a solidão e o tédio. A gratificação instantânea e a fiabilidade ininterrupta das ferramentas digitais apelam aos impulsos humanos que outros seres humanos nem sempre conseguem satisfazer. Mas ELA demonstra que a hiperconexão leva à desconexão dos aspectos mais cruciais da realidade.

 

O que ela diz sobre o amor

O amor humano é insubstituível

Theodore (Joaquin Phoenix) ouvindo a voz de Samantha (Scarlet Johansson) em Her

O final do filme ELA mostra que o filme é mais uma história de amor do que uma fantasia de ficção científica. Destaca que, embora o amor humano seja inconveniente e pouco confiável, ele oferece algo insubstituível. No início de ELA e sua estranha história de amor de ficção científica, Theodore vê os benefícios de curto prazo de se desconectar de sua realidade confusa e conectar-se a uma realidade virtual organizada. Ele pode manter Samantha por perto – literalmente no bolso – e acessá-la a qualquer hora do dia ou da noite. Como ela é imaterial e adaptável por natureza, ele pode projetar nela suas fantasias e ideais sem consequências.

Apesar de compartilharem ilusões de intimidade, Theodore e Samantha estão distantes um do outro nos aspectos que mais importam. Cada um deles é avançado e complexo de uma forma que o outro não consegue compreender. Eles superam um ao outro depois de aprenderem lições que mudam suas vidas sobre o amor. No final de ELA, chega a hora de ambos seguirem em frente com essas lições e aprenderem novas maneiras de amar.

 

O que acontece depois do fim de Ela

Theodore e Amy ficarão juntos?

Theodore e Amy nela
Tanto Amy quanto Theodore experimentaram a conveniência e a distração instantâneas que as tecnologias avançadas podem proporcionar, e um relacionamento entre eles traria uma vulnerabilidade avassaladora que não pode ser desligada. Mas cada um deles também aprendeu o que faltava ao amor virtual e passou a reconhecer que ele só pode ser encontrado e sustentado na confusão da humanidade.

Depois de se fecharem em bolhas de ilusão que eventualmente estouram, eles entendem o alto risco e as altas recompensas da conexão humana. Eles compartilham uma jornada virtual e a solidão que ela deixou para trás, e entendem o que o outro está sentindo – e isso é intimidade real. Quando Amy e Theodore finalmente se desconectam de seus mundos virtuais e olham para cima das telas, enfrentam a realidade brilhante que estava lá o tempo todo.

Embora ELA seja um filme de ficção científica centrado na tecnologia, ele mergulha profundamente no amor e na humanidade. Demonstra um futuro possível que os humanos poderão enfrentar à medida que a tecnologia avança demasiado, mas fá-lo de uma forma claramente realista. Por mais que os humanos procurem distrações brilhantes e conveniência constante a curto prazo, as ligações sustentáveis são construídas através da partilha de refúgio dentro da imprevisibilidade e da complexidade da natureza humana. ELA examina as limitações da humanidade e descobre que é somente nesta desordem que uma conexão genuína pode ser encontrada.

 

O final de Ela o torna um romance?

É mais romântico que ficção científica

Joaquin Phoenix como Theodore Twombly conversando com Samantha em Ela

ELA é uma história complicada que distorce os tropos de gênero, tornando difícil defini-la apenas como uma história de ficção científica, um drama ou um romance. No entanto, o final de ELA demonstra que o filme é uma exploração de romance e conexão. O filme mergulha em romances não apenas entre humanos e máquinas, mas também entre Theodore e Amy e Theodore e Catherine. Quer seja o início ou o fim de um relacionamento romântico, ELA explora a confusão que acompanha todos os tipos de conexões interpessoais.

O início do filme centra-se em Theodore e suas lamentações sobre o amor perdido com Catherine. Ele está taciturno e solitário, mas tudo muda quando ele encontra Samantha. Em sua solidão, ele cria uma conexão com ela que não pode ser razoavelmente classificada como amor verdadeiro. Isso é explorado ainda mais em sua briga com Catherine, durante a qual ela o condena por se apaixonar por uma máquina. Só nesse momento Theodore questiona a conexão que ele compartilha com o aparelho.

A primeira metade do filme se concentra em saber se Theodore pode ou não amar um produto de inteligência artificial e gradualmente se concentra nas relações humanas. O final de ELA sugere que o romance pode vir de várias formas, e o que Theodore sentia por Samantha tecnicamente não era real – ao invés de amor, poderia ser caracterizado como uma obsessão. Ninguém está à disposição de ninguém nas relações humanas normais – nem deveria estar. Além disso, outras pessoas têm esperanças e sonhos fora de seus entes queridos, uma qualidade que faltava a Samantha porque ela não é um ser humano.

Gradualmente, Theodore escapa de sua ruptura com a realidade e estabelece uma conexão mútua com Amy através da experiência compartilhada. Essa vulnerabilidade da condição humana é o que faz ELA um romance, em vez de um filme de ficção científica, já que temas de relacionamentos e conexões sustentam todo o filme e recebem uma resolução comovente, mas agridoce, em sua conclusão.

“ELA:Está disponível para transmissão no Amazon Prime Video

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verified by MonsterInsights