O Sinal: Final explicado: De onde vem o “olá”
imagens Netflix

“A minissérie de ficção científica da Netflix, The Signal, culmina em um final tenso e convincente, respondendo a questões cruciais sobre o ‘olá’ e o pára-quedas.”

“Este artigo contém menções sobre iluminação, saúde mental e capacitação. Ele também contém SPOILERS para “O Sinal”.

A minissérie alemã da Netflix, O Sinal, apresenta um desfecho tenso que esclarece questões fundamentais, incluindo a origem do misterioso “olá”. A trama acompanha o pai e a filha, Sven e

Charlie, que ficam perplexos com o desaparecimento de Paula, esposa de Sven e mãe de Charlie, após seu retorno da Estação Espacial Internacional (ISS). Sven precisa se adaptar à nova função

de pai solteiro de Charlie, enquanto esta última está confusa e angustiada com a ausência inexplicável da mãe. Paralelamente, os dois se veem envolvidos em uma investigação sobre o motivo pelo

qual Paula não acionou imediatamente os pára-quedas da cápsula ao retornar à Terra.

A trama se desenrola entre cenas da vida de Paula a bordo da ISS, onde ela ouve uma misteriosa saudação vinda do espaço sideral. Sven e Charlie suspeitam que Paula possa ter feito uma

descoberta relacionada à existência de alienígenas que pretendem visitar a Terra. Com essa revelação, pai e filha se veem obrigados a se proteger das pessoas interessadas em manter a

conspiração em segredo. O elenco de O Sinal entrega uma narrativa repleta de tensão, culminando em um desfecho frenético, repleto de reviravoltas impactantes.

 

 |    RELACIONADO:

O Sinal: Final explicado – A mentira de Sven e Charlie traz justiça para Paula e a vítima do acidente de avião

 

De onde vem o “olá” no sinal?

Charlie e Sven correm até a Voyager em The Signal

Ao longo de O Sinal, Paula continua a ouvir o que parece ser a voz de uma criança dizendo “Olá”. Inicialmente, ela presume que seja uma interferência de rádio da Terra, mas logo percebe que

vem do espaço sideral, não do planeta. A suspeita inicial é de que os alienígenas estejam imitando a voz humana para alertá-los de sua presença. No entanto, em uma das últimas cenas de O Sinal,

é revelado que o “Olá” vem do registro da Voyager 1. Um detalhe crucial que mantém a coerência do enredo é que os discos de ouro não estavam reproduzindo sons quando foram colocados na

Voyager.

Dessa forma, O Sinal confirma a existência de seres extraterrestres dentro do universo da série. Há várias indicações da inteligência desses alienígenas. Em primeiro lugar, eles demonstram

compreensão da tecnologia ao começar a reproduzir o disco. Em segundo lugar, em vez de reproduzir a mensagem completa, os alienígenas escolhem reproduzir apenas aquele único ponto do

disco. Se os alienígenas de O Sinal sabem que alguém na ISS fala inglês, é lógico que interrompam a reprodução do registro no exato momento em que oferece uma saudação na língua nativa do

indivíduo que estão tentando contatar.

 

O disco de ouro da Voyager é real?

Charlie olha para o disco de ouro ao lado da The Voyager em The Signal
Embora o "Olá" vindo da Voyager possa ser interpretado como um recurso da trama, é importante destacar que a mensagem e o registro fonográfico banhado a ouro na Voyager 1 são reais,

e uma segunda cópia está presente na Voyager 2. De acordo com a NASA, os registros das Voyagers incluíam fotos e sons destinados a representar as diversas culturas e formas de vida na Terra.

Conforme é mostrado quando Charlie corrige o registro em O Sinal, as mensagens incluem 55 idiomas diferentes. O registro foi cuidadosamente armazenado na sonda, junto com instruções sobre

como reproduzi-lo, caso algum alienígena encontrasse uma das Voyagers.

A trama de chantagem e acidente de avião explicada

Depois de ouvir a voz dizendo “olá” em O Sinal, Hati começa a atacar severamente Paula. Ele grava a voz para que outros pensem que ela está mentindo quando ela tentar mostrar a descoberta.

Quando Paula tenta explicar, Hati insinua que ela está inventando e atribui seus sintomas a “enjôo espacial”, numa tentativa de evitar que os outros astronautas acreditem nela. Além disso, Hati

sugere em particular que Paula pode ter sofrido um colapso psicológico ao ouvir o “olá”.

 

"Se alguém está disposto a matar uma criança a sangue frio, certamente estará disposto a colocar em risco a vida de um avião cheio de pessoas."

Essa é uma escolha particularmente cruel e manipuladora, pois Hati sabe do histórico de alucinações de Paula. Quando todas as outras tentativas de calá-la falham, ele tenta matá-la privando-a

de oxigênio na ISS. Eventualmente, Hati revela que foi chantageado para manter Paula em silêncio e obter informações para seu chantagista. No entanto, a identidade da pessoa que controla Hati

permanece um mistério até pouco antes de Paula embarcar no avião. Paula conclui que Benisha Mudhi é a única pessoa com motivação e acesso à informação para estar por trás da chantagem a

Hati.

Embora Paula devesse originalmente embarcar no avião que cai no Atlântico, ela decide não ir no último minuto. Essa reviravolta no novo drama de ficção científica da Netflix sugere que ela está

chantageando Hati e está ciente de que o avião vai cair. O fato de ela estar disposta a fazer essas duas coisas também faz sentido, considerando o tratamento que ela deu a Charlie no final de O

Sinal. Se ela é capaz de matar uma criança a sangue frio, certamente está disposta a colocar em risco um avião cheio de pessoas.

 

Qual era o objetivo de Paula na ISS?

Yuna Bennett como Charlie em The Signal

“Certamente, o mundo é mais desafiador para as pessoas com deficiência devido à falta de acomodações adequadas na sociedade. No entanto, o valor de Charlie como ser humano não é diminuído pela sua deficiência.”

Quando Paula embarca na ISS, ela expressa seu objetivo de encontrar uma cura para mortes, ferimentos e doenças. No entanto, esse objetivo logo é deixado de lado em favor da trama principal

mais emocionante. Ainda assim, seu trabalho em O Sinal contribui para o desenvolvimento do personagem. A filha de Paula, Charlie, é surda e depende de aparelhos auditivos para ouvir. Paula

espera encontrar uma cura para a surdez de Charlie, mas, como Charlie aponta mais tarde no filme, Paula estava obcecada em mudar a condição auditiva de Charlie muito antes de ir para a ISS.

Isso afeta profundamente o relacionamento entre elas.

A percepção de que Charlie não se sente próxima de sua mãe em O Sinal é um lembrete de que o valor das pessoas não é diminuído por causa de uma deficiência. Paula poderia ter tido um

relacionamento melhor com Charlie se tivesse parado de tentar consertá-la. Como demonstra O Sinal, embora a vida possa ser mais desafiadora para as pessoas com deficiência devido à falta de

acomodações na sociedade, o valor da vida de Charlie não é afetado por sua deficiência.

 

Por que Paula não lançou o pára-quedas imediatamente

Paula em traje espacial na cápsula de pouso em The Signal

No início de O Sinal, a nave espacial está descendendo pela atmosfera. Paula deveria ter acionado o botão para abrir os pára-quedas, mas espera até o último momento possível. A razão para essa

hesitação só é explicada no final da minissérie. Depois que Hati tenta matá-la a bordo da ISS, Paula decide que não pode confiar em ninguém. Como ele estava presente quando ela ouviu a voz

dizendo “olá”, Hati é o principal responsável por garantir que a descoberta científica de Paula chegue às pessoas comuns. No entanto, sua compaixão e confiança são restauradas a tempo de

salvá-los da morte.

 

A mulher acenando para Charlie no sinal

Katharina Thalbach como A Observadora da Lua em The Signal

Desde o início de O Sinal, uma mulher estranha começa a acenar de maneira assustadora para Charlie em espaços públicos. Esse comportamento é visto como um perigo potencial, especialmente

porque nem Charlie nem Sven conhecem essa pessoa. Ela tenta entregar um bilhete a Sven, mas ele a ignora. Eventualmente, essa mulher estranha sequestra Charlie como uma forma de atrair

Sven. Descobre-se que essa mulher também estava ouvindo a mensagem de “olá”. Ela usou Charlie e Sven para descobrir as coordenadas e a data do pouso dos alienígenas. Ao contrário de outros

personagens que tentam manipular Charlie e Sven, essa mulher parece genuinamente preocupada com o bem-estar deles.

O verdadeiro significado do fim do sinal

Yuva Bennett como Charlie e Florian David Sitz como Sven em The Signal.

O Sinal ressoa desde o início, mas o final da ficção científica da Netflix contém uma mensagem comovente e oportuna sobre o mundo como um todo. Embora Mundhi e outros líderes mundiais

passem o tempo acreditando que os alienígenas são a ameaça, eles são os verdadeiros inimigos. Eles não têm compaixão pelos outros, planejando violência contra os extraterrestres mesmo

quando essa escolha não faz sentido. Até Charlie, uma criança com pouca educação científica e sem diplomacia, consegue perceber que quaisquer entidades perigosas não enviariam uma

mensagem se simplesmente quisessem exterminar toda a vida na Terra.

Em última análise, em vez de falar negativamente sobre todos os seres humanos, O Sinal é um lembrete de que os multimilionários e os políticos estão a fazer mais mal do que bem.

O capitalismo e os burocratas impedem o progresso da ciência porque servem para defender o sistema em que existem. Em O Sinal, os alienígenas não os beneficiam; portanto, eles devem ser

destruídos, independentemente do benefício científico positivo que poderia advir de outra espécie vivendo em outras partes do universo.

Fonte: NASA

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verified by MonsterInsights